Ladrões procuravam curió valioso em pet shop de Bonsucesso

Adelino, dono da loja que trabalhava no local há mais de 30 anos, morreu no tiroteio, assim como um dos bandidos. Moradores reclamam de roubos

Por O Dia

Rio - O dono de uma pet shop morreu na manhã desta segunda-feira, dentro do próprio estabelecimento, em Bonsucesso, durante tentativa de assalto. Um dos dois criminosos que participaram da ação foi baleado e morreu no local. De acordo com a Polícia Militar, policiais do 22º BPM (Maré) chegaram no momento em que o comerciante Adelino Fonseca e Silva, de 73 anos, era feito refém. Quando avistaram os PMs, os criminosos dispararam, iniciando um confronto dentro da loja.

Testemunhas contaram ao DIA que o criminoso chegou no balcão à procura de um pássaro curió, bem avaliado no comércio de aves silvestres. “Assim que a viatura chegou, dois PMs entraram, mas já havia outros à paisana. Logo depois, escutei o disparo. Devido à entrada ser cheia de gaiolas, difícil era enxergar o que se passava no lado de dentro. Os funcionários foram feitos de reféns e amarrados com fita durex”, contou um rapaz. Agentes da Delegacia de Homicídios já fizeram perícia no local e investigam o caso.

Na rua%2C moradores e comerciantes de Bonsucesso reclamavam da falta de segurançaMárcio Mercante / Agência O Dia

Ainda segundo a PM, “o criminoso, que estava deixando o estabelecimento, voltou para o interior da loja. Nesse momento, houve luta corporal entre o dono da loja e o criminoso, que efetuou disparos. Os policiais reagiram. O dono do estabelecimento e o criminoso foram atingidos por disparos de arma de fogo”. O idoso foi levado para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu aos ferimentos.

A pet shop Avícola Pavão de Bonsucesso, na Rua Cardoso de Morais, é um dos estabelecimentos mais antigos do bairro, aberto em 1966. “Adelino trabalhava aí há mais de 30 anos, um homem muito querido, deixará saudades”, disse um comerciante. Moradores reclamavam da falta de segurança na área. “Muitos comerciantes estão abandonando o local. Várias lojas estão fechadas devido à grande onda de assaltos. Eles ateiam fogo em lojas de roupas”, contou uma mulher.

Do estagiário Matheus Ambrósio, com supervisão de Rosayne Macedo

Últimas de Rio De Janeiro