Casal percorre bares da Lapa com os amigos após trocar alianças em igreja

O médico Bruno Sicuro e a produtora audiovisual Raquel Stern se casaram na Igreja Santo Antônio dos Pobres, na Rua dos Inválidos

Por O Dia

Às 2h40%2C ‘saideira’ no ‘Vaca’Divulgação

Rio - As ruas da Lapa testemunharam uma festa de casamento em estilo para lá de ‘carioquês’ na noite de quinta-feira. O médico Bruno Sicuro e a produtora audiovisual Raquel Stern, ambos de 30 anos, estavam com casório marcado para as 19h. Faltavam só 25 minutos para a grande hora quando o noivo decidiu bater ponto em um dos bares mais frequentados pelo casal para se despedir da solteirice. No balcão do Botequim Vaca Atolada, na Avenida Gomes Freire, compartilhou três geladas com um amigo antes da cerimônia, para diminuir a ansiedade. Estava de terno, gravata e aquela felicidade.

Surpresa ainda maior para os frequentadores do ‘Vaca’ viria mais tarde. Às 2h40 da matina, quem aparece na porta do botequim? Os noivos, já casados, com uma turma de mais de 20 amigos, todos engalanados. Dá até para imaginar a festa que o pessoal do bar fez ao ver a cena inusitada. Mal sabiam que a comemoração boêmia tinha começado horas antes, no karaokê de outro bar, na Rua do Senado. E tudo de improviso, garante o casal.

O casamento foi na Igreja Santo Antônio dos Pobres, na Rua dos Inválidos, bem perto do Vaca Atolada.“O ‘Vaca’ é um lugar que a gente gosta muito e que sempre fomos com amigos. Muitas das nossas noites boêmias acabam lá. Após a cerimônia, fomos para o karaokê a pé e depois para o ‘Vaca’. As pessoas na rua tiravam foto, achavam engraçado, batiam palmas”, contou Raquel.

Ela garante que Bruno chegou sóbrio e a tempo para dizer o tão esperado ‘sim’. Nos cinco anos de namoro, a história do casal se cruzou muitas vezes nas noites cariocas. Eles, inclusive, se conheceram na Gafieira Elite, tradicional casa de festas e baladas do Centro.

“Antes de sair de casa para o casamento, chamei um amigo que estava morando na Malásia há mais de um ano para tomar uma cerveja. Tem um bar ao lado da igreja, mas preferi ir ao ‘Vaca’ porque imaginei que os outros convidados podiam pensar mal de mim”, revelou Bruno, aos risos.

Claudio Cruz, dono do ‘Vaca’, ficou emocionado. “Tenho gratidão às várias pessoas que se conheceram no bar, se casaram e comemoram aqui”, diz. O bar é conhecido por ter roda de samba todos os dias e por iniciativas bem humoradas como o ‘Natal Etílico’.

Ontem à noite aconteceu a segunda parte da comemoração do casamento. Bruno foi jogar pelada com a rapaziada no Aterro. “Não abro mão de duas coisas: samba e futebol”, explica o recém-casado.

Últimas de Rio De Janeiro