Informe: Governo diz ser impossível não atrasar folha da segurança em maio

Para evitar que este atraso supere dez dias úteis, enviará hoje à Assembleia Legislativa mensagem que prevê a antecipação da receita de ICMS

Por O Dia

Rio - O governo estadual avalia que será impossível não atrasar a folha de pagamento de policiais e demais agentes de segurança pública no mês que vem. Para evitar que este atraso supere dez dias úteis, enviará hoje à Assembleia Legislativa mensagem que prevê a antecipação da receita de ICMS.

A ideia é que grandes empresas antecipem voluntariamente, nos próximos meses, valor correspondente a algo entre 10% e 20% do valor pago em 2016. A medida poderia render, em maio, R$ 1,5 bilhão ao Palácio Guanabara. O suficiente para que não seja necessário parcelar o salário da segurança.

Estímulo: taxa Selic

Para incentivar empresas a anteciparem o pagamento, o projeto receberá emendas na Alerj. Uma das mais cotadas envolve o uso da taxa de juros Selic como base para calcular abatimentos às companhias que aderirem.

Tramitação

O texto deve entrar na pauta da Alerj na próxima terça. Receberá emendas e será votado na semana seguinte. Para não tropeçar na Lei de Responsabilidade Fiscal e cair na armadilha das “receitas vinculadas”, a medida será costurada via Fundo de Estabilização Fiscal (FEF).

PSDB deixa a base

Os três vereadores do PSDB decidiram ontem abandonar a base de Marcelo Crivella (PRB). Dizem que a saída do bloco ‘Por um Rio mais humano’ não significa rompimento, mas sinalização de independência.

Ninho tucano

Apesar da retirada, o PSDB não será hostil a Crivella. Alexandre Arraes, Felipe Michel e Professor Adalmir têm indicações na prefeitura. E a tucana Teresa Bergher ocupa a Secretaria de Assistência Social.

A dama e a rainha

Mulher de Crivella, a primeira-dama Sylvia se encontrou ontem com Xuxa na fundação que leva o nome da apresentadora, em Pedra de Guaratiba. “Não podemos deixar este espaço fechar. São mais de 300 crianças beneficiadas. Vou botar a boca no trombone na prefeitura, falar com os secretários e fazer o que estiver ao meu alcance”, disse.

Xuxa e Sylvia CrivellaDivulgação

Sem licitação

Irmão do presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB), Sergio Felippe foi nomeado quarta passada coordenador de Processo Licitatório da Comlurb. Mas foi decidido que é melhor ele ocupar outro cargo na empresa.

Condições especiais

A Câmara aprovou a retomada do Concilia Rio, programa que permite a empresas inadimplentes renegociar dívidas com o município. Segundo o líder do governo, Paulo Messina (Pros), a medida renderá R$ 400 milhões.

Últimas de Rio De Janeiro