Polícia faz perícia em local onde menina foi vítima de estupro coletivo

Na última terça-feira, um menor de idade se entregou no Fórum de Madureira. Suspeito foi reconhecido pela vítima

Por O Dia

Rio - A Delegacia de Atendimento à Criança e Adolescente Vítima (Dcav) realizou, nesta quinta-feira, uma perícia no local onde uma menina de 12 anos foi vítima de estupro coletivo, na comunidade da Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense. O crime ocorreu na semana passada. Na operação, a polícia apreendeu celulares, camisinhas e câmeras fotográficas na residência de um dos suspeitos.

Na casa, viviam o namorado da menina e a mãe dele. A polícia encontrou o local revirado e sem as roupas no armário. A informação é de que o tráfico os expulsou do local, depois da repercussão do caso.

Polícia periciou casa onde ocorreu estupro coletivo na Baixada FluminenseDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

De acordo com as investigações, o adolescente, de 17 anos, convidou a menina para ir a sua casa, enquanto a mãe dele estava trabalhando. Quando a garota chegou, encontrou outros dois adolescentes, de 16 e 17 anos, na casa. Eles a levaram para o quarto e iniciaram a agressão. Logo depois, o namorado chegou, acompanhado de um rapaz de 18 anos. Os quatro consumaram o estupro.

Na última terça-feira, um menor de idade se entregou no Fórum de Madureira. De acordo com a polícia, o suspeito foi reconhecido pela criança. A menina foi atendida no Centro de Atendimento ao Adolescente e à Criança (Caac), no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, nesta segunda-feira. A garota passou por tratamento profilático contra doenças sexualmente transmissíveis e fez exame de corpo de delito.

Polícia Civil fez perícia na casa onde ocorreu estupro coletivo contra menina de 12 anosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Ela foi ouvida no próprio hospital e não na delegacia, por policial capacitado para entrevistas com crianças e adolescentes vítimas de violência. O depoimento foi gravado, para que a vítima não tenha que repetir a história para policiais, promotor e juiz. Quatro agressores que aparecem no vídeo do estupro foram identificados por seus apelidos.

No vídeo, que a delegada da Dcav descreveu como ‘grotesco’, ‘hediondo’ e ‘nefasto’, é possível ouvir a fala: ‘Cala a boca, se alguém ouvir sua voz vai saber que é ‘tu’’’. “Não há dúvida alguma que a vítima foi obrigada, desde o início, a todo o ato. Você vê na gravação o temor dela, os gritos de pavor. Isso comove qualquer um”, disse Amorim.

?Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas de Rio De Janeiro