Prédio fantasma no Fundão

Obra abandonada no campus da UFRJ vira abrigo para ladrões e usuários de drogas

Por O Dia

Rio - O lugar que seria um complexo acadêmico para receber 5 mil alunos de cinco cursos da Universidade Federal do Rio (UFRJ), e que já custou R$ 53 milhões aos cofres públicos, está abandonado há mais de três anos.

O terreno de 43 mil metros quadrados, no Fundão, na Ilha do Governador, tornou-se moradia para usuários de drogas e esconderijo de criminosos. A unidade deveria ter sido inaugurada em 2013. Agora, a promessa é de que parte dela seja entregue no fim do ano que vem, se a nova licitação, prevista para o segundo semestre, for concluída.

Complexo acadêmico%2C de 43 mil metros quadrados%2C no Fundão%2C está com obras paralisadas há mais de três anos. Nova licitação para obras deverá ser realizada neste anoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

A obra abandonada atrai ainda mais assaltos para região, de acordo com estudantes da Cidade Universitária. “Sempre acontecem roubos aqui e os bandidos fogem para o terreno”, contou Caetano dos Santos, de 21 anos, aluno de Engenharia Civil.

Funcionários do campus afirmam que moradores de rua e usuários de drogas tomaram conta do local. “A noite é um perigo. Fora os ratos, baratas e fezes humanas que ficam no prédio”, declarou um funcionário que preferiu não se identificar.

Segundo a UFRJ, o atraso na entrega do complexo é devido à redução de verba do Ministério da Educação. “O plano de entrega da obra foi modificado por conta do orçamento. A universidade recebeu a primeira etapa (do dinheiro) e a estrutura foi concluída só no início deste ano”, explicou o pró-reitor de Gestão e Governança, Ivan Carmo, que destacou déficit de R$ 115,6 milhões desde 2014.

Em meio às obras paralisadas%2C sacos de cimento abandonados estragam Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Segundo ele, a UFRJ tem priorizado o pagamento de funcionários, bolsas e da segurança na Cidade Universitária.  O Ministério da Educação, por sua vez, afirmou que faz os repasses de acordo com o que é solicitado pela instituição. Em nota, o órgão informou que, entre 2014 e 2017, foi repassado R$ 1,6 bilhão para UFRJ, sendo cerca de R$ 77 milhões neste ano.

O Complexo Acadêmico, que até agora está apenas na estrutura de ferro, vai abrigar as faculdades de Educação, Administração e Ciências Contábeis, Relações Internacionais e Ciências Jurídicas e Econômicas, que funcionam em Botafogo. De acordo com Ivan, a nova licitação só ocorrerá se houver garantia de recursos. “Se não tiver, é muito preocupante o risco de começar uma obra e não terminar”, completou.

Alojamento está longe de ficar pronto

Não é só o Complexo Acadêmico que está abandonado. O alojamento estudantil, que fica ao lado do Centro de Tecnologia, também está com obras suspensas e, segundo a UFRJ, não há previsão de conclusão do projeto. Até agora, R$ 20 milhões de uma obra orçada em R$ 32 milhões, foram gastos.

A residência vai beneficiar 168 estudantes. Atualmente, 400 universitários vivem em uma ala, com estado precário, que tem capacidade para 250 pessoas. Parte dos alunos passa noites em barracas e em sacos de dormir. No interior da obra do alojamento, sacos de cimento e outros materiais estão em péssimo estado de conservação.

A aluna de História, Barbara Mozert, 23, criticou o abandono. “O investimento, ao meu ver, foi perdido. Hoje, na UFRJ, vivemos uma situação muito triste”. Por conta da falta de verba, a universidade fará um projeto mais barato para o alojamento, com estrutura pré-fabricada.

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento, sob supervisão de Angélica Fernandes

Últimas de Rio De Janeiro