Informe do DIA: Estranhamento de secretária com vereadores é nítido

O clima, que já não era dos melhores no PSDB carioca, piorou de vez

Por O Dia

Rio - O clima que já não era dos melhores no PSDB carioca, como o Informe revelou quinta-feira, piorou de vez. O estranhamento da secretária municipal de Assistência Social, Teresa Bergher, com os vereadores tucanos é cada dia mais nítido.

Em discurso na Câmara ontem, Felipe Michel comentou a saia-justa gerada após publicar vídeo na Internet em que prometera a um morador de rua, que era assistido por agentes da secretaria, a entrega de uma cadeira de rodas — o vídeo foi retirado do ar após críticas de assistencialismo.

“Estou muito surpreso pela atitude dela. Não tem necessidade de solicitar ao presidente dessa Casa os limites do vereador. Assumi com o prefeito o compromisso de cuidar das pessoas. Se eu assumi, vou trabalhar. Doa a quem doer. Porque trabalhar, às vezes, incomoda”, bicou o tucano.

A reclamação

A publicação do vídeo, quinta, por Felipe Michel, causou mal estar na prefeitura. Funcionários da secretaria dizem que ele explorou politicamente um trabalho que era para ser estritamente técnico.

Puxão de orelha

Presidido por Teresa Bergher, o PSDB carioca fará uma reunião ainda esta semana para decidir se haverá ou não punição a Felipe Michel. “O partido não admite esse tipo de assistencialismo, que os parlamentares interfiram nas políticas públicas do Executivo. Não é por ser do PSDB que ela (Teresa) vai passar a mão na cabeça”, disse um aliado.

Bancada unida

Os outros dois vereadores do PSDB apoiam o colega de parlamento: “Somos contrários a qualquer tipo de punição”, disse Professor Adalmir. “Um ato isolado não pode ser considerado assistencialismo. Assistencialismo é quando há uma prática contínua”, argumentou Alexandre Arraes, suplente de Teresa na Câmara. O trio se reuniu, ontem à noite, para tratar do tema.

Origem

Comenta-se que o pleito por cargos na secretaria teria iniciado a tensão entre Felipe Michel e Teresa.

Da Câmara ao Senado

Celso Pansera (PMDB-RJ) e Pedro Paulo Carvalho (PMDB-RJ) levarão um grupo de deputados federais ao Senado nesta semana. Querem pressionar o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e líderes de partidos para que agilizem a votação do plano de recuperação fiscal dos estados, recém-aprovado na Câmara.

Preparando o terreno

Secretário de Saúde do ex-governador Brizola, Luiz Orlando Cadorna (PTN) é cotado para assumir a Secretaria de Relações Institucionais no lugar de Luiz Carlos Ramos (PTN), que a deixou em março.

Últimas de Rio De Janeiro