Após incêndio, parte de teto de desaba e fere funcionária no Shopping da Gávea

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, vítima passa bem e já foi liberada do hospital

Por O Dia

Rio - Uma parte do teto do Shopping da Gávea, na Zona Sul do Rio, desabou na manhã desta quarta-feira e feriu uma funcionária que trabalhava na limpeza do local. De acordo com o Corpo de Bombeiros,  por volta das 10h20 o batalhão da região foi acionado para a ocorrência.

A vítima identificada como Paloma dos Santos, de 38 anos, foi encaminhada para o Hospital Miguel Couto. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a mulher passa bem e já foi liberada do hospital.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, mulher foi encaminhada para o Hospital Miguel CoutoReprodução TV Globo

Diretores do Sindicato dos Comerciários estiveram  no Shopping da Gávea para atender aos integrantes da categoria que trabalham no local, onde ocorreu um incêndio nesta terça-feira. De acordo com  o sindicato, eles receberam várias denúncias de funcionários que estariam sendo obrigados a trabalhar, apesar do cheiro muito forte e da fumaça no local.

Procurada pelo DIA, a assessoria do Shopping da Gávea ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Na tarde desta terça-feira, um incêndio atingiu o Teatro Clara Nunes, no terceiro piso do mesmo shopping. Na ocasião, o Corpo de Bombeiros informou que homens do Quartel da Gávea foram acionadas às 15h05 para combater as chamas no local. Nove pessoas foram socorridas e sete precisaram ser encaminhadas para o Hospital Miguel Couto e a coordenação de Emergência Regional Leblon, a maioria devido à inalação de fumaça. Dentre as vítimas, a única mulher sofreu de um mal súbito ao passar próximo ao local.

Segundo relatos de clientes, a fumaça chegou até o sexto piso do shopping. De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura, o trânsito na Rua Marquês de São Vicente foi interditado parcialmente. O diretor de teatro Márcio Araújo, 45 anos, que montava a peça 'Supermoça' no teatro, conversou com O DIA sobre o incidente. Abalado, ele conta que terá de negociar a estreia do monólogo, que começaria na sexta-feira.

"Estamos todos muito abalados, estrearíamos em três dias. O produtor, Rafael Carretero, vendeu um carro para bancar essa peça. A atriz, que é comissária de bordo, pediu licença da companhia aérea para estrear conosco. O prejuízo é de R$ 26 mil. O teatro estava lindo e meu cenógrafo, de 65 anos, estava na hora em que as chamas começaram, na plateia. Ele e mais dois garotos da equipe ainda tentaram apagar o fogo mas, como o lugar tem bastante plástico, o incêndio se espalhou rapidamente. Parecia um filme de terror", disse. 


Últimas de Rio De Janeiro