Caminhoneiros fazem protesto contra o roubo de cargas no Rio

Motoristas de caminhões bloqueram duas faixas da Avenida Brasil, no sentido Centro, e engarrafamento chegou a 17 km na via e a 56 km em outros pontos da cidade, segundo o Centro de Operações da Prefeitura

Por O Dia

Rio - Caminhoneiros fizeram uma manifestação na Avenida Brasil, na manhã desta terça-feira, contra o aumento dos roubos de carga no Estado do Rio. Devido ao protesto, o trânsito ficou engarrafado. De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura (COR), o congestionamento na Avenida Brasil chegou a 17 quilômetros. Já em outras vias expressas do Rio, o engarrafamento chegou a 56 quilômetros. O COR chegou a recomendar que a população optasse pelo BRT, metrô ou trem.

Os motoristas dos veículos de carga acessaram a Avenida Brasil pela Dutra, na altura de Irajá, e ocuparam uma faixa de cada pista (central e lateral), no sentido Centro. Na chegada ao Into, eles retornaram, fechando momentaneamente a pista de descida da Ponte Rio-Niterói. Apenas duas viaturas do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE) acompanharam o comboio com cerca de 150 caminhões.

Motoristas de caminhões acessam Avenida Brasil em protesto contra o roubo de cargas no RioReprodução Twitter / %40radardabrasil

A principal reclamação dos caminhoneiros é o grande número de roubo de cargas nas vias que cortam o estado, principalmente nas regiões dos complexos da Pedreira e Chapadão, onde a polícia realizou operações nesta manhã. Com faixas e cartazes , os profissionais pedem mais segurança para transitar no Rio.

"Ministro da Justiça, o Rio de Janeiro faz parte da federação?", dizia uma das faixas. "Até nós sabemos onde o carregamento está. É só ir na Pedreira", estava escrito em outra. 

"Uma cidade como o Rio não pode ser abandonada. Precisamos de segurança. Estamos abandonados pelos governos Federal e Estadual. O Sindicarga, que representa a categoria, já falou e enviou ofícios para as autoridades, mas infelizmente nenhuma ação foi feita para conter os roubos de cargas no Estado. Se eles não interferirem, a gente vai parar de abastecer o Rio", afirmou Donizette Pereira, empresário e um dos representantes do sindicato.

Caminhoneiros protestam na Avenida Brasil em protesto contra o roubo de cargas no RioReprodução Twitter / %40lantoniofreitas

De acordo com o Sindicarga, a cada uma hora um caminhão é roubado nas estradas que cortam o Estado. Segundo dados do órgão, daqui há um mês o Rio vai passar São Paulo em número de cargas roubadas por dia e mais de R$ 400 milhões foi o prejuízo de empresários do Rio, só neste ano, com este tipo de crime. No ano passado, a entidade estima que teve um prejuízo de R$ 1 bilhão.

"Hoje no Rio, os bandidos roubam de tudo. O governo Federal mandou 300 homens da Força Nacional, mas no entanto, eles ficam parados e não patrulham nada. É preciso que se feche os acessos as comunidades onde ocorrem esses assaltos. Estamos tendo prejuízos enormes. Nossos funcionários saem pra trabalhar, mas não sabemos se eles voltam vivos", conta o empresário Charles de Souza Araújo.

Segundo relatos dos manifestantes, muitos caminhoneiros estão abandonando a profissão por causa da violência e da falta de segurança nas estradas do estado. Já de acordo com os empresários, as seguradoras têm aumentado os valores para quem faz transporte de cargas para o Rio e que isso acaba encarecendo os produtos para os consumidores da cidade. 

"A situação aqui no Rio está insustentável. Os empresários que transportam cargas estão prestes a parar. Os governantes precisam agir imediatamente. A realidade é que, o estado está sem recursos e não está tendo poder de respostas. Os empresários já esgotaram suas iniciativas para tentarem evitar os roubos. O desabastecimento será certo se continuar assim", diz o coronel da Polícia Militar Venâncio Moura, diretor de segurança do Sindicato de Empresas de Transporte de Carga (Sindicarga).


Reportagem do estagiário Rafael Nascimento com supervisão da repórter Karilayn Areias

Últimas de Rio De Janeiro