PM realiza nova operação no Pavão-Pavãozinho

Nas redes sociais, moradores relataram tiros em pontos isolados da comunidade e no Cantagalo

Por O Dia

Rio - Policiais do Batalhão de Ações com Cães realizaram, na manhã deste domingo, uma nova operação no Pavão-Pavãozinho, na Zona Sul do Rio. De acordo com a Polícia Militar, a ação tinha por objetivo a repressão ao tráfico de drogas e a prisão de criminosos. Nas redes sociais, moradores relataram tiros em pontos isolados da comunidade e no Cantagalo.

Segundo a PM, foram apreendidos 7.175 sacolés de cocaína e 24 sacolés de crack. Ainda não há informações sobre prisões. A ocorrência foi registrada na 13ª DP (Ipanema).

PM realiza nova operação no Pavão-PavãozinhoEstefan Radovicz / Agência O Dia

Na manhã deste sábado, os moradores das comunidades Pavão-Pavãozinho e Cantagalo foram acordados com uma intensa troca de tiros entre militares e criminosos armados. Segundo o comando da UPP, uma viatura da corporação foi atacada por bandidos durante um patrulhamento na Rua Saint Roman. Após o episódio, o Batalhão de Ações com Cães (BAC) foi acionado e realizou uma operação que terminou com a prisão de um homem e uma arma apreendida. 

Desde a última terça-feira, traficantes e policiais militares estão em confronto na região. O episódio mais conturbado foi na última quarta-feira, quando o faxineiro Fábio Franco de Alcântara, 38, morreu após ser atingido por estilhaços de uma granada. Ele chegou a ser socorrido para o Hospital Miguel Couto, mas não resistiu aos ferimentos.

Outras três pessoas que almoçavam no mesmo bar onde Alcântara estava, também ficaram feridas, mas sem gravidade. Uma moradora que passou mal por conta do tiroteio também não resistiu. Elisângela Gonçalves, de 38 anos, chegou a buscar atendimento médico na clínica da família do Pavão/Pavãozinho, mas morreu na unidade em decorrência de um AVC.

Rotina de violência assombra os bairros de Copacabana e Ipanema

Diante da rotina de violência que tem assombrado os bairros de Ipanema e Copacabana devido a uma guerra diária entre criminosos armados e militares da UPP, uma moradora fixou um cartaz na janela de seu apartamento, na Rua Piragibe Frota Aguiar, clamando por socorro às forças de segurança do estado.

“Ninguém aguenta mais viver assim”, repetia a mulher em tom de desespero. Ainda segundo ela, os moradores já evitam sair de casa à noite devido aos constantes assaltos a pedestres nas vias próximas às entradas das comunidades. Outra moradora, que também não quis se identificar, afirmou que escuta rajadas de tiros diariamente e lamentou o atual cenário da cidade: “Triste, né?”, desabafou.

Mulher segura papel escrito 'Sos'%3A rotina de violência amedronta moradores de Copacabana e IpanemaEstefan Radovicz / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro