Informe: Temer quer evitar que denúncias de Janot cheguem ao Congresso

Para isso, recorreria ao Supremo Tribunal Federal e alegaria que Janot insiste em abordar um tema já levantado

Por O Dia

Rio - Aos mais próximos, Michel Temer (PMDB) revelou o que espera para os próximos capítulos envolvendo a delação da JBS. Após se livrar da primeira acusação que chegou à Câmara dos Deputados, sequer permitir que as outras duas denúncias que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pretende enviar, cheguem ao Congresso.

Para isso, recorreria ao Supremo Tribunal Federal e alegaria que Janot insiste em abordar um tema já levantado. A medida evitaria o sangramento contínuo. Ocorre que, entre o sonho de Temer e a realidade, há um abismo. Quem conhece Luiz Zveiter (PMDB-RJ), garante que o relator da denúncia que chegou à Comissão de Constituição e Justiça dará parecer pela admissibilidade de julgamento pela Casa.

Esforço
A equipe de Temer tenta trocar Espiridião Amin (PP-SC) da CCJ. Avalia que com um deputado pró-governo em seu lugar, não precisaria dos seis votos do PSDB para manobrar a seu favor na CCJ. E, a esta altura, Temer não quer depender de tucanos e nem do DEM.

Aliás
Aventada hoje por toda a mídia, a possível articulação de Rodrigo Maia (DEM) para derrubar Temer e assumir o poder foi antecipada pelo Informe em 18 de junho. Na nota intitulada ‘Em busca do Império Maia’, um aliado de Temer já demonstrava um pé atrás com o presidente da Câmara.

Eu avisei...
Na ocasião, o escudeiro de Temer cravou: “O Rodrigo quer dar uma de Maquiavel sem ter a capacidade intelectual dele. Essa história de tentar agradar aos dois lados... O Temer hoje já olha pro Rodrigo com desconfiança.” De lá pra cá...

Delação de Cunha
A coluna revelou, em março, que Eduardo Cunha tentara, por duas vezes, firmar acordo de delação premiada. As tratativas não foram adiante porque a Justiça alegou que as informações passadas pelo ex-presidente da Câmara não eram fortes. Pelo visto, a coisa mudou.

Agora é guerra
Em resposta a uma reportagem crítica a seu governo, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), decidiu bater de frente com a Folha de SP, um dos principais jornais do país. Disse que a Folha “não sabe o que é cidadania e não tem vontade de ajudar”. Doria publicou o vídeo em seu Facebook mesmo aconselhado por assessores a não fazê-lo.

Vale lembrar
Doria é um dos pré-candidatos à presidência da República em 2018.

A beleza e o caos
Dia sim, outro também há tiroteio no Pavão-Pavãozinho, em Copacabana.

Últimas de Rio De Janeiro