Menino Bryan: mulher tentou impedir o assassino de atirar

Pai da criança de 6 anos morta após discussão teria pedido desculpas ao atirador

Por O Dia

Rio - A mãe de Bryan Eduardo Mercês de Camargo, de 6 anos, morto no domingo após ser baleado em Campo Grande, Flávia Mercês, de 23 anos, disse que o atirador estava acompanhado de uma mulher, que teria ainda tentado impedir o crime, sem sucesso. Segundo Flávia, o carro do autor dos disparos emparelhou com o da família, após seu marido Christian Lopes da Cruz, que conduzia o veículo, frear bruscamente em um sinal vermelho, na Estrada do Monteiro. O assassino teria então xingado Christian e atirado no veículo.

O menino Bryan teve os pulmões perfurados pelo tiro e não resistiuReprodução

“A mulher que estava do lado dele (do suspeito) tentou abaixar a arma, mas não conseguiu. Meu marido arrancou com o carro quando viu que o homem estava armado, mas ele atirou e acabou atingindo os meus filhos no banco de trás”, lembrou. Além de Bryan, a irmã do menino, Jullyene Mercês, de 3 anos, foi baleada na perna e precisou passar por cirurgia, mas não corre risco de vida.

A tia das crianças e irmã de Christian, que também estava no carro, Milena da Cruz Neves, de 19 anos, disse que o atirador sabia que havia crianças no carro. “Meu irmão pediu desculpas, mas ele estava alterado e não quis saber de nada, apenas apontou a arma e atirou. Depois disso, escutei o meu sobrinho gritando de dor. Ele atirou mesmo sabendo que tinha criança dentro do carro”, lembrou Milena.

No depoimento, Christian disse que o carro do assassino é um gol branco, com vidros escuros. Moradores do bairro e amigos da família prometeram protesto nesta terça, às 10h da manhã, no local do crime. O enterro de Bryan deve ocorrer à tarde no Jardim da Saudade, em Paciência.

Últimas de Rio De Janeiro