Informe: Lula planeja atos públicos para contestar sentença de Moro

No Rio, o ex-presidente prepara evento, no Centro, para o dia 4 de agosto

Por O Dia

Rio - Após ser condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro no caso do triplex do Guarujá, o ex-presidente Lula planeja uma série de atos públicos pelo país para contestar a sentença. A ideia do petista é que os eventos reúnam juristas, intelectuais e artistas. O primeiro ato será no Instituto Lula, em São Paulo, sexta-feira.

No Rio, Lula prepara evento, no Centro, para o dia 4 de agosto. O local exato ainda será definido: o PT cogita a Fundição Progresso, na Lapa. Lula aguarda em liberdade a decisão da 8ª turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O julgamento ainda não tem data para ocorrer.

'Estado de direito'

Lula quer chamar os eventos de “ato pela defesa do estado de direito”.

Por aqui

Desde sábado, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) está na casa mãe, no Rio.

Encaminhado

O governador Pezão (PMDB) deu aval para que o deputado estadual Gustavo Tutuca (PMDB) reassuma a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social. A troca com Pedro Fernandes (PMDB), que retornará à Assembleia Legislativa, será oficializada nas próximas semanas.

Cara nova no pedaço

No lugar de Tutuca, entrará na Alerj o suplente Chico Machado (PMDB).

Ajeitando o calendário

O recesso está sendo mais curto nas escolas da rede estadual que estão com aulas atrasadas por conta das paralisações de 2016. A Secretaria de Educação pretende normalizar o calendário em todas as unidades até o fim do ano.

Mais um suicídio

Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi decretou luto de três dias no partido pela morte de Getúlio Vargas Neto. Assim como o pai, em 1997, e como o avô, o ex-presidente, em 1954, Neto se suicidou.

A malandragem salva

Um jornalista carioca estava com o celular na mão, ontem, por volta das 18h, perto dos Arcos da Lapa, quando se percebeu encurralado por três homens. Demonstrou calma e, antes que o assalto fosse anunciado, dirigiu-se ao trio e perguntou: “Fala, meu camarada. Aquele pó de 15, pego onde?”.

Segue

Após receber informação de onde poderia comprar drogas — que por sinal era a poucos metros dali —, inventou que estava passando sufoco e trabalhando como motorista de Uber para conseguir se sustentar. Talvez por pena, talvez por pensar que a vítima gastaria seu dinheiro na boca de fumo, os gatunos o liberaram sem nada levar. Ufa!

Últimas de Rio De Janeiro