Octogenários passam a ter prioridade sobre outros idosos em filas

Não se sabe ainda é como a lei funcionará

Por O Dia

Rio - Sancionada pelo presidente Michel Temer na semana passada, a Lei 13.466 alterou o Estatuto do Idoso e estabeleceu que pessoas a partir de 80 anos tenham prioridade no atendimento de estabelecimentos privados e públicos sobre os demais idosos, com idade acima de 60 anos. As mudanças, no entanto, ainda não chegaram às ruas, ou melhor, às filas do Rio de Janeiro.

Na prática, não se sabe como empresas e órgãos públicos vão organizar essa prioridade no atendimento entre os já prioritários. Nos bancos, por exemplo, não se sabe se os octogenários deverão ter um caixa separado ou se serão chamados à frente da fila dos idosos em geral.

Carlos Lopes 84 anos%2C aposentadoSandro Vox / Agência O Dia

Perguntada, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou apenas que os bancos seguem a legislação e que será elaborado um “normativo de autorregulação, o qual define que todas as agências devem oferecer ou implementar meios que garantam o atendimento personalizado aos idosos que se enquadrem na nova regra.”

Para Marat Calado, 72 anos, aposentado e morador de Jacarepaguá, o principal é colocar em prática o que está no papel. “O estatuto é ótimo. Os prestadores de serviço é que teriam que passar por uma grande reciclagem. Os empresários têm de conhecer e divulgar para seus funcionários”, pontua.

"É vantajoso, mas relativo. Tem muito idoso, como no meu caso, que não entra na fila preferencial. Mas eu acho válido", comentou o aposentado e morador da Lapa, Carlos Lopez da Conceição, de 84 anos.

A prioridade especial vale também para processos judiciais e atendimento médico, exceto para emergências. O projeto foi aprovado no Senado no dia 21 de junho. “Todo mundo usa a prioridade, sem observar se atrás tem uma pessoa com mais de 80 anos”, justificou a relatora do projeto, Regina Souza (PT-PI).

Reportagem do estagiário Lucas Cardoso, com supervisão de Claudio de Souza

Últimas de Rio De Janeiro