Rodas de samba de rua estão liberadas de alvará da Prefeitura

Organizadores de rodas de samba comemoram decreto do prefeito Marcelo Crivella publicado no Diário Oficial

Por O Dia

Rio - Roda de samba precisa de boa música e público animado. Se for na rua, também precisa de banheiro químico, limpeza das vias e garantia de segurança. Só não precisa mais de alvará. Nesta terça-feira, foi publicado no Diário Oficial o decreto da prefeitura que dispensa a obrigação de as rodas de samba terem o Alvará de Autorização Transitória. A medida foi comemorada pelos organizadores e profissionais das rodas de samba.

A dispensa do alvará promete agilizar o processo de pré-produção e garantir a realização dos eventos. "Vai facilitar bastante, a gente acabava passando muito sufoco. Ficamos um mês sem fazer o evento, mas agora a gente vislumbra uma facilidade. São muitas pessoas com a garantia de um emprego, em pleno momento de crise", comemora Felipe Duarte, produtor do Pede Teresa, uma das mais tradicionais rodas do Rio

A roda começou no Bairro de Fátima e há quatro anos acontece às sextas na Praça Tirandentes, no Centro, onde chega a reunir 2 mil pessoas. "É uma grande vitória para todos, não só para os sambistas, mas para os profissionais do meio, todo o pessoal que ampara o evento. Há toda uma cultura por trás das rodas de samba", diz Felipe.

Roda de Samba do Pede Teresa%2C na Praça Tiradentes%2C reúne mais de 2 mil pessoasDivulgação

A turma do Samba do Xoxó, que promove rodas uma vez por mês no Tijolinho, no Andaraí, também torce para que a medida facilite as rodas de samba. "Muitas vezes, faltava conhecimento técnico para os agentes públicos, já que algumas das rodas de samba, mesmo com autorização, eram proibidas pela Polícia Militar", cita Igor Cutia, 34 anos, integrante do grupo. "Essa decisão da Prefeitura dará um respaldo maior", acredita.

Há seis anos, o Samba do Xoxó toca em diversos clubes e casas de show, mas é na rua que têm sua apoteose, levando duas mil pessoas a cada evento. "Na rua a gente sente o calor de perto. Podemos levar para todos, pessoas sem condição de pagar, com poder aquisitivo menor. Ficamos muito felizes em saber que a gente pode levar a cultura para rua, fazendo tudo certinho", diz Cutia.

O decreto para desburocratizar os eventos foi comemorado pela Rede Carioca de Rodas de Samba, organização que reúne sambistas e produtores de mais de 40 eventos do tipo no município. "As nossas Rodas de Samba estão em festa. Este decreto vem coroar a luta histórica de um povo que cultua a principal referência cultural do país no mundo: o Samba e suas Matrizes", diz nota publicada no site da organização.


Reportagem do estagiário Caio Belandi com supervisão de Marlos Mendes

Últimas de Rio De Janeiro