Pais de bebê baleado na barriga da mãe vão ao IML liberar o corpo

Arthur morreu, neste domingo, com apenas um mês de vida. Ele estava internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes

Por O Dia

Rio - Os pais do bebê Arthur foram ao Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio, na manhã desta segunda-feira. Ele foi baleado ainda na barriga da mãe, durante um tiroteio na Favela do Lixão, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, no mês passado. Desde então, o pequeno estava internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes.

Pais do bebê Arthur foram ao IML nesta segunda-feiraRafael Nascimento / Agência O Dia

Arthur teve complicações de uma hemorragia digestiva por volta das 5h30 e faleceu às 14h. Inicialmente, seu corpo foi encaminhado ao IML de Caxias, mas depois foi transferido para o Centro. Até o momento, a Polícia Civil não explicou o motivo da mudança. 

O bebê será enterrado nesta segunda-feira, às 17h, no Cemitério Tanque do Anil, em Duque de Caxias. 

Relembre o caso

Bebê Arthur foi baleado dentro da barriga da mãeDivulgação

A mãe de Arthur, Claudinéia dos Santos Melo, que estava grávida de nove meses, levou um tiro, no dia 30 de junho, quando ia ao mercado no centro de Duque de Caxias, e teve que ser submetida a uma cesariana de emergência. O tiro atingiu a região pélvica de Claudinéia e atravessou o tórax do bebê, ferindo também uma das orelhas. Ela recebeu alta no dia 6 de julho.

Arthur teve quadro de paraplegia, e os médicos do hospital avaliaram que suas chances de recuperação eram boas. À época, foi constatado que não houve lesão ao cérebro. Logo na chegada ao hospital, o bebê passou por uma cirurgia para descompressão da medula, após fazer uma ressonância nuclear magnética.

O caso está sendo investigado pela 59ª DP (Duque de Caxias) que apura informações de que criminosos armados teriam atirado contra uma viatura da Polícia Militar que trafegava pela via onde Claudineia foi baleada. Os agentes buscam possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam ajudar a esclarecer os fatos. 

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento

Últimas de Rio De Janeiro