Mais Lidas

Perigo: vídeos de sexo e violência invadem também sites infantis

Delegada intensifica investigação do 'Elsagate' e vai notificar Google para retirar conteúdo impróprio

Por thiago.antunes

Rio - Nem mesmo o YouTube Kids, aplicativo projetado para excluir conteúdos impróprios para crianças, tem conseguido de filtrar os vídeos do escândalo ‘Elsagate’ — desenhos animados e filmagens que plagiam personagens do universo infantil, mas que retratam cenas de violência e sexuais. Em rápida busca por personagens infantis, diversos vídeos impróprios disfarçados de infantis surgem. Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática vai intensificar a investigação e notificar o Google para retirada do material da internet.

 

Vídeos ‘Elsagate’%2C com conteúdo impróprio%2C mostram super-herois armados e em cenas de cunho sexualReprodução

A plataforma permite que os pais desativem o recurso de busca, mas ainda usa o mecanismo de reprodução automática, que encontra vídeos relacionados com bases em palavras-chave. Nas instruções de uso do YouTube Kids, que promete “uma experiência mais segura”, a empresa admite que não analisa manualmente todos os vídeos e afirma que “é possível que seus filhos encontrem algo que você não queira que eles assistam”.

 

Pais preocupados buscam outras plataformas para entreter seus filhos. É o caso da vendedora Thalia Santos, 20 anos, que desinstalou o aplicativo do tablet da filha de 3 anos ao tomar conhecimento do escândalo.

Segundo ela, os vídeos estavam provocando comportamentos estranhos na criança: “Eu estava desesperada. Ela começou a querer bater e enforcar, ficou com mania de pegar meus seios e dizia que o Homem-Aranha fazia isso”, explicou. “Comecei a procurar, coloquei um vídeo que ela gostava de assistir e os vídeos bizarros apareciam depois. Não deixo mais assistir”, completou. A assessoria do YouTube não foi encontrada para comentar.

 

Para Nelson Vasconcelos, colunista de tecnologia do DIA, a parte mais importante da divulgação do escândalo é a chamada de responsabilidade para os pais. “Hoje a segurança no meio virtual é tão importante quanto a segurança física da criança. A vida na Internet é tão real quanto fora da rede. Nós, que somos de outra geração, não entendemos, achamos que é tudo brincadeira inofensiva”, afirmou.

Leia Mais

Ele também defende que não é o caso de demonizar a tecnologia, já que o problema é o ser humano, e a internet é só ferramenta. “Precisamos lidar com ela de forma inteligente e perseverante, e ter um relacionamento com os filhos de transparência, respeito e carinho. Os perigos estão soltos na vida real e na Web”, lembrou.

 

Para o especialista em crimes na Internet Alexandre Matos, que é da Comissão de Direito da Tecnologia da OAB-RJ, os conteúdos podem ter outros propósitos perversos: “Links nas descrições dos vídeos podem conter programas que permitem a invasão do computador, das senhas, das câmeras”, alerta. Mas ressalva que o conteúdo dos vídeos é, por si só, preocupante: “Os pais devem conhecer as ferramentas que permitem controle dos conteúdos vistos pelos filhos”, lembra. 

‘Material feito em outros países’

 

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) anunciou ontem que vai notificar o Google e o YouTube pedindo a retirada dos vídeos do tipo ‘ElsaGate’. A equipe da delegacia intensificou a procura desse conteúdo na Internet após reportagem publicada no DIA sobre esse perigo às crianças.

 

“Normalmente é feito em outros países e veiculado na Internet. Já verifiquei conteúdo de apelo sexual em alguns e vamos tomar providências”, afirmou a titular da DRCI, Daniela Terra. Segundo ela, os pais devem ficar atentos para o uso da internet pelas crianças. “Não é só dar tablet ou celular e deixar a criança usando, pois conteúdos impróprios podem aparecer”, aconselhou.

Reportagem da estagiária Nadejda Calado, com supervisão de Joana Costa. Colaborou Bruna Fantti

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia