Fernando Mansur: A periferia reage

Todos nós, de uma forma ou de outra, estamos vivendo numa espécie de periferia de nosso próprio ser

Por O Dia

Rio - Li esta pichação no muro de uma cidade do interior e senti: falta amor. É simples e complexo. Todos nós, de uma forma ou de outra, estamos vivendo numa espécie de periferia de nosso próprio ser. Não importa o lugar ou as classes: os clamores são os mesmos. Diferenças sempre houve e haverá. O que diferencia esta época das outras? Não existem respostas prontas, porque o momento é novo, embora pareça se repetir. De fato, é sempre o mesmo, porém de maneira diferente na aparência. Falta amor. Que sentido fazem as palavras quando tudo já foi dito? Estas, por exemplo, conseguirão tocar alguém? Falta amor.

E quando não adiantarem mais os remendos, eis que mudanças mais drásticas e profundas ocorrerão – e elas chegarão quando menos se esperar. Os recados são dados, mas não são ouvidos. É sempre assim. Só uns poucos percebem o chamado. Que chamado? O convite para sairmos da periferia e voltarmos para o centro. Que centro? O centro de nós mesmos. Não há mais tempo para tergiversações. Ninguém é inocente, ninguém é culpado, todos são responsáveis. Só há um lugar seguro no mundo: dentro de você. É simples e complexo. E está assim porque falta amor. Vamos!

Fernando Mansur: Radialista. Escritor. Professor. Graduado em Letras pela Universidade Católica de Minas Gerais (Ponte Nova). Mestre e doutor em Comunicação pela UFRJ.

Últimas de Rio De Janeiro