'Não foi bala perdida', diz filha de verdureiro morto no Jacarezinho

Enterro de Sebastião Sabino da Silva foi marcado por comoção e revolta

Por O Dia

Rio - Em um misto de comoção e revolta, o verdureiro Sebastião Sabino da Silva, de 46 anos, foi enterrado, na tarde desta quinta-feira, no cemitério do Caju, Zona Norte do Rio. O homem foi morto na última terça-feira, enquanto trabalhava durante um tiroteio entre policiais e criminosos no Jacarezinho.  

Sob forte emoção, Sebastião Sabino da Silva foi enterrado no cemitério do CajuDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

"Não foi bala perdida. Eles miraram no peito do meu pai e atiraram porque achavam que ele era traficante. Não foi apenas um disparo e sim três", lamenta Raquel Sabino, filha do feirante, também conhecido na região como Tião. 

Para a jovem, o verdureiro poderia estar vivo se o socorro não tivesse demorado tanto tempo. "Meu pai ficou lá agonizando por mais de meia hora. O sentimento é de tristeza e indignação. Confundiram um trabalhador, que estava ali ganhando seu pão de cada dia com um traficante", afirma. Além de Raquel, o feirante deixa outros seis filhos. 

Verdureiro deixa sete filhos Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Já para Leandro Pimentel, presidente da Associação de Moradores do Jacarezinho, o sentimento na comunidade é de medo. "Tanto o André —mototaxista morto nesta terça-feira— como o Tião estavam no seu local de trabalho e não esperavam de forma alguma serem atingidos. Assim como aconteceu com eles pode acontecer com qualquer um de nós."

Violência sem fim no Jacarezinho

Em sete dias de confontro entre policiais e traficantes no Jacarezinho, quatro pessoas morreram e três foram baleadas, além de um cachorro que também foi ferido. Entre as vítimas estão o policial da Core, Bruno Guimarães Buhler; o mototaxista, André Luis Medeiros; o verdureiro, Sebastião Sabino da Silva; e o homem morto nesta quinta. Já entre os baleados estão uma mulher de 30 anos, um adolescente e Moisés Martins Alves. 

De acordo com a polícia, a operação de hoje tem o objetivo de prender os suspeitos de matarem Bruno. Conhecido como Xingu, o inspetor policial Bruno Guimarães Buhler era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil, onde estava há sete anos. Ele entrou para a Core em 2014.

Homem morre e outro é baleado nesta quinta-feira

Um homem morreu e outro foi baleado no Jacarezinho, na tarde desta quinta-feira, durante o sétimo dia de operação na comunidade. O homem morto ainda não teve a identidade revelada. Já o baleado foi identificado como Moisés Martins Alves, de 28 anos. 

Homem é ferido durante sétimo dia de confronto no JacarezinhoWhatsApp O DIA (98762-8248)

Segundo a polícia, Moisés foi ferido durante confronto com policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) na rua da Feira. Inicialmente ele foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos e depois foi transferido para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier. 

No momento em que deu entrada no hospital, Moisés disse que era pedreiro. Entretanto a polícia afirma que ele possui anotações criminais por tráfico e associação para o tráfico de drogas e foi preso em flagrante pelos mesmos crimes, além de responder por receptação de veículo roubado. 

Ainda de acordo com a polícia, os agentes arrecadaram áudios captados por rádios comunicadores, onde criminosos alertam aos demais traficantes que Moisés e outro homem foram atingidos durante o confronto. Os dois estariam em cima de uma laje atirando contra a polícia. 

Reportagem de Daniel Castelo Branco

Últimas de Rio De Janeiro