Agentes cumprem mandados de busca e apreensão na Cruz Vermelha

Além das sedes, eles foram também nas residências dos presidentes das entidades nesta quarta-feira

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil do Distrito Federal e o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) cumpriram mandados de busca e apreensão na sede da Cruz Vermelha Brasileira e na sede da Cruz Vermelha, no Centro do Rio, nesta quarta-feira. A ação fez parte da 3ª fase da Operação Genebra. Os agentes também foram nas residências dos presidentes das entidades, Roseli Pimentel Sampaio e Luiz Alberto Lemos Sampaio, em Copacabana, Zona Sul.

A operação apura a participação deles na contratação fraudulenta da Cruz Vermelha Petrópolis para o gerenciamento das UPAs de São Sebastião/DF e Recanto das Emas/DF, no ano de 2010. Segundo o MP, a Cruz Vermelha Petrópolis recebeu antecipadamente dos cofres do Distrito Federal R$ 3,4 milhões, valores hoje atualizados em R$ 9,7 milhões, sem prestar qualquer serviço.

Em Brasília, também foi cumprido mandado de busca e apreensão na casa de Joaquim Carlos da Silva Barros Neto, ex-secretário de saúde do Distrito Federal. As investigações mostram que ele teria "mentido nas declarações prestadas à DECAP, ante a existência de indícios de que tinha conhecimento do ilegítimo processo licitatório que culminou na contratação da Cruz vermelha Petrópolis, autorizando a contratação".

Os agentes apreenderam ainda celulares, computadores, pendrives e documentos. Na residência de Roseli foi encontrado um revólver, calibre 32, sendo autuada em flagrante e conduzida à respectiva delegacia circunscricional da área no Rio.

Em nota?, a Cruz Vermelha informou que as irregularidades ocorridas na filial Petrópolis em 2010 estão sendo devidamente apuradas pelo Ministério Público e pelas autoridades competentes. A organização também ressaltou que além da intervenção realizada naquela ocasião pela filial do Estado do Rio de Janeiro, a direção estadual, representada pelo presidente Luiz Alberto Sampaio, vem colaborando para elucidar os fatos e as investigações.

Últimas de Rio De Janeiro