PM que atropelou empresário de bicicleta não pisou no freio

Delegada afirma não haver marcas de frenagem no local do acidente

Por O Dia

Rio - O sargento PM Marcelo Soares da Silva, suspeito de atropelar e matar o empresário Hélio Brum Crespo, de 40 anos, que andava de bicicleta na Praia da Reserva, no Recreio, sequer pisou no freio para evitar o acidente. A conclusão é da delegada assistente da 16ª DP (Barra da Tijuca) que não encontrou marcas de frenagem no local do acidente. Segundo a delegada, o PM atropelou e fugiu sem prestar socorro.

O policial prestou depoimento na noite deste domingo na 16ª DP (Barra da Tijuca). A polícia identificou o endereço dele e localizou o Corolla preto na porta da casa em que ele mora. O PM saiu de casa ao ouvir o barulho do reboque que estava prestes a levar o carro e foi detido. Segundo a delegada assistente, ele não mostrou sinais de arrependimento ou remorso.

Três testemunhas já foram ouvidas pela polícia. Os próximos passos da investigação serão buscar imagens de câmeras de segurança para confirmar a trajetória do veículo e as circunstâncias do atropelamento. Será feita a perícia no carro, na bicicleta e no capacete usado pelo ciclista.

O advogado da família do empresário afirma que o acusado tem pelo menos 49 multas, a maioria por excesso de velocidade.

Homicídio culposo

O policial será indiciado por homicídio culposo de trânsito, com o agravante de não ter prestado socorro. Mesmo que seja condenado, ele não deve cumprir pena em regime fechado. A pena máxima é de 4 anos, podendo aumentar em um terço por causado agravante.

O sargento PM Marcelo Soares da Silva foi preso administrativamente.

Últimas de Rio De Janeiro