Ambulantes voltam às ruas horas depois de operação

Na ação que contou com mais de 100 agentes, em Copacabana, camelôs retomaram o comércio ilegal após a saída da fiscalização

Por O Dia

Rio - Poucas horas depois da Guarda Municipal realizar uma grande operação de ordenamento urbano ontem pela manhã, com a atuação de 100 agentes para coibir a comercialização de produtos ilícitos, em Copacabana, O DIA flagrou diversos ambulantes não autorizados retornando o comércio ilegal nas calçadas da Avenida Nossa Senhora de Copacabana. A GM foi até o local após tomar conhecimento do caso, mas não identificou os camelôs.

Calçadas na Nossa Senhora de Copacabana continuaram com camelôsMaíra Coelho / Agência O Dia

Três pessoas foram detidas em Copacabana durante a ação mais cedo: dois senegaleses, por comercializar óculos contrabandeados na orla, e um homem em situação de rua, que foi flagrado tentando furtar objetos de uma banca de jornal. Ao todo, 223 produtos foram apreendidos no bairro. Além dos 100 guardas, 15 fiscais da Secretaria Municipal de Fazenda e 34 viaturas deram apoio na operação.

A Guarda também esteve em Bangu ontem, e encaminhou dois ambulantes para 34ª DP (Bangu) acusados de participação no grupo que provocou tumulto no bairro na segunda-feira. Na ocasião, camelôs atearam fogo em lixo nas ruas. Os agentes também realizaram o trabalho de ordenamento público na Glória, Catete, Madureira, Méier, Largo do Machado e em Campo Grande.

De acordo com o secretário de Ordem Pública, Paulo Amendola, as operações começaram bem cedo para evitar o confronto com os ambulantes não autorizados. "Quando o poder público não ocupa os espaços, o infrator ocupa. Então, a Guarda Municipal optou por ocupar cedo os espaços antes que os ambulantes venham ocupar. Com a medida, estamos evitando o confronto", ressaltou.

Sobre o confronto em Bangu, Amendola esclareceu que os agentes não reagiram aos ataques dos ambulantes. "A Guarda havia ocupado o espaço mais cedo, e quando os ambulantes perceberam que não conseguiriam vender as mercadorias, fizeram manifestação, ameaçando lojistas e depredando viaturas. Quando a perturbação da ordem chegou a esse ponto, a PM foi acionada e assumiu o controle da situação", detalhou.

A fiscalização da GM para combater a desordem pública e a venda de produtos roubados vai ocorrer na cidade por tempo indeterminado. Além das ações, a prefeitura vai criar uma feira para ambulantes. O projeto será implantado após avaliação de impacto comercial, que ainda não tem prazo definido.

Últimas de Rio De Janeiro