'Família está com o coração dilacerado', diz amigo de mulher morta na Zona Norte

Monique da Silva, de 30 anos, foi atingida por uma bala perdida no confronto entre ladrões e seguranças de um carro-forte

Por O Dia

Monique da Silva Faria%2C de 30 anos%2C foi morta nesta terça-feiraReprodução Facebook

Rio - Será sepultado nesta quarta-feira às 17 horas o corpo de Monique da Silva Faria, de 30 anos, atingida por uma bala perdida durante o confronto entre assaltantes e seguranças de carro-forte em Parque Anchieta, na Zona Norte. Ela estava dentro do supermercado onde trabalhava no momento da troca de tiros.

Monique foi baleada na virilha e na nádega e chegou a ser socorrida no Hospital Estadual Carlos Chagas, passou por uma cirurgia, mas não resistiu. Ela era casada e deixa dois filhos, de 7 e 10 anos.

Inicialmente, um amigo da vítima informou que ela estava grávida. No entanto, a informação foi desmentida pelos parentes.

A família foi ao Instituto Médico Legal (IML) na manhã desta quarta-feira e preferiu não falar com a imprensa. "A família está com o coração dilacerado. Os tiros foram escutado por todos. A família ficou sabendo [do caso] e foi pra lá. Foi uma imagem horrível vê-la caída no chão", lamentou o amigo Marco Navega, acrescentando que o local está cada vez mais perigoso. 

"Não podemos almoçar fora com os nossos parentes. Não se pode andar com celular na mão e muito menos trabalhar em paz. A Monique foi morta trabalhando. Estamos muito abalados com isso. Ela era uma menina muito boa e trabalhadora", lamentou. 

Um vigilante também foi baleado, mas não foram divulgadas informações sobre seu estado de saúde.

Breno Soares Lopes, conhecido como Peludinho, também foi morto. Segundo a PM, ele estava em liberdade provisória após ser preso, em julho do ano passado, por roubo de carga.

Em nota, a empresa TBForte, responsável pelo carro-forte, lamentou o caso e disse que está colaborando com as investigações. A ocorrência foi registrada na Delegacia de Homicídios da Capital (DH).


Reportagem do estagiário Rafael Nascimento, sob supervisão de Gabriela Mattos

Últimas de Rio De Janeiro