Série do DIA 'Rio sem polícia' é tema de debate na Alerj nesta quarta

Encontro vai discutir crise financeira na Polícia Militar

Por O Dia

Rio - A audiência pública sobre o sucateamento da Polícia Militar, marcada para a manhã desta quarta-feira, foi adiada a pedido do comandante-geral da PM, Coronel Wolney Dias. Ele pediu o adiamento para poder ler os relatórios do Ministério Público que realizou inspeções nos batalhões da corporação.

Uma nova data ainda será marcada em setembro. Dados dos relatórios foram apresentados com exclusividade na serie do DIA "Rio Sem Policia", que fez a comissão de Segurança da Alerj pedir a abertura da audiência.

Promotores, deputados e representantes da cúpula Segurança Pública vão participar do debate. Atualmente, o efetivo da corporação é 60% do considerado ideal para realizar um policiamento eficiente nas ruas. Além disso, há 4 mil concursados aprovados, mas o governo alega não ter verba para contratação.

Apesar do investimento de R$ 44 bilhões na Secretaria de Segurança desde 2007, o arsenal da Polícia Militar encontra-se defasado. Em uma das vistorias, o Ministério Público constatou que somente 12, de 39 batalhões, possuem armas suficientes e prontas para uso.

Sem dinheiro em caixa, as viaturas estão com manutenção precária. A cada 10 carros da PM, quase quatro estão 'baixados'. De 2.657 carros policiais, 990 encontravam-se parados, à espera de reparos, em maio.

Comandantes recebem ajuda de custo de R$ 1 mil mensais para negociar com oficinas os consertos. Além disso, 22 unidades dependem de doações como legumes, frutas e vassouras.

A penúria também atinge as Unidades de Polícia Pacificadora. Como O DIA publicou na semana passada, quase 70% das viaturas operacionais das 38 UPPs apresentam problemas mecânicos há dois meses. Em relação aos fuzis, 23% do total estavam baixados e, dos coletes balísticos, 32% encontravam-se avariados.

Procurado, o Ministério Público Federal alegou que seria melhor o governo federal repassar os recursos que estão sendo utilizados para manter as Forças Armadas no Rio há um mês para ajudar a infraestrutura da PM.

 

Últimas de Rio De Janeiro