Polícia Civil e MP fazem operação contra corrupção no Detran

Agentes devem cumprir 45 mandados de busca e apreensão, além de três de prisão preventiva na manhã desta quinta-feira

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil e o Ministério Público Estadual do Rio (MP-RJ) realizou uma operação contra corrupção no Detran, na manhã desta quinta-feira, em Magé, na Região Metropolitana do Rio. Na ação, denominada de 'Asfalto Sujo II', os agentes devem cumprir 45 mandados de busca e apreensão, além de três de prisão preventiva. Às 8h, as três pessoas já haviam sido detidas.

Polícia Civil e MP fazem operação no DetranReprodução TV Globo

As investigações começaram após denúncia da Corregedoria do órgão, que repassou as informações à Polícia Civil. As buscas desta manhã ocorreram na prefeitura e no posto do Detran do município. De acordo com o MP, os acusados foram denunciados por organização criminosa, corrupção ativa e passiva e inserção de dados falsos em sistema público informatizado. Os crimes teriam sido praticados entre abril de 2013 e outubro de 2014.

Segundo as investigações, funcionários e ex-funcionários produziam e emitiam documentos públicos falsos referentes a vistorias de veículos irregulares, transferências de propriedade, entre outros serviços prestados pelo Detran. O órgão afirmou que todos recebiam parte da propina ao longo da tramitação dos procedimentos.

Entre os alvos dos mandados de prisão está o ex-secretário municipal de Habitação e Urbanismo de Magé André Vinicius Gomes da Silva, apontado pela denúncia como um dos líderes do esquema por nomear pessoas de confiança e receber pela arrecadação das atividades ilícitas. 

Outro alvo é o ex-secretário de Governo e ex-secretário municipal Paulo Cesar Batista Vaz que também é acusado de participar da coordenação das atividades. Na época das investigações, Paulo Cesar era apontado como o braço-direito do então prefeito Nestor Vidal.

Paulo exerceu a chefia do posto de vistoria após a saída do outro denunciado Alexandre Bento Rangel Pinto do cargo, terceiro acusado a ser preso. Alguns dos funcionários controlados por eles eram parentes e pessoas de confiança dos envolvidos.

Últimas de Rio De Janeiro