Roubo a caixas eletrônicos sobe 46% este ano no Rio

Ontem foram dois ataques. Investigações apontam falhas nos equipamentos

Por O Dia

Rio - ‘É mais fácil roubar os caixas eletrônicos do Rio do que os do Sul do país”. Esse é o trecho do depoimento de um homem que está preso desde o começo do ano, acusado de participar de uma quadrilha do Paraná que passou a agir em terras fluminenses. Os números do Instituto de Segurança Pública (ISP) confirmam o aumento deste crime no estado. De janeiro a julho deste ano, foram 41 ataques a caixas eletrônicos, um aumento de 46%.

Por volta das 3h de ontem, pelo menos dez bandidos fortemente armados tentaram assaltar dois caixas eletrônicos de uma farmácia no Parque Fluminense, em Duque de Caxias, na Baixada. Testemunhas contaram que os homens, que estavam encapuzados, explodiram duas granadas, mas não conseguiram abrir os caixas. A fachada da loja ficou destruída. Os criminosos não chegaram a levar o dinheiro, porque um dispositivo instalado nos equipamentos manchou as notas de rosa, inutilizando-as.

A fachada da loja ficou destruída pelas explosões de granadasSeverino Silva / Agência O Dia

Um policial civil que participa das investigações da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) sobre este tipo de crime criticou as empresas que instalam os caixas eletrônicos. Segundo ele, os materiais de segurança dos equipamentos instalados no Rio é inferior aos do Sul do país. Ele avalia ainda que a escolha dos locais dos caixas deve ser mais criteriosa também.

O delegado titular da DRF, Hilton Alonso, vêm fazendo um trabalho de inteligência para investigar os bandidos responsáveis por esses ataques. "No final do ano passado, identificamos alguns criminosos e os prendemos. Essa quadrilha havia parado, mas agora está voltando. Esse grupo é bem específico e recebem auxílio de quem conhece a região dos caixas eletrônicos. Vamos continuar trabalhando e identificaremos os outros bandidos", relata o delegado que alerta: "outros serão presos, é questão de tempo".

O dono da farmácia destruída ontem, que pediu para não ser identificado, estimou o prejuízo em R$ 10 mil. “O bairro é muito carente. A gente tenta ajudar disponibilizando os caixas. Mas, por falta de segurança, vou mandar tirar. Não dá pra se expor ao risco e tomar prejuízo”, afirmou.

A PM informou que quando os policiais chegaram ao local os criminosos já haviam fugido. A TecBan, responsável pelos caixas eletrônicos, não quis se pronunciar.

Últimas de Rio De Janeiro