Criança de 2 anos é atingida por bala perdida em Anchieta

Menino foi ferido no braço após sair de igreja. 'Por pouco, a bala não pega na cabeça do meu filho', disse a mãe

Por O Dia

Rio - A polícia investiga um tiroteio que feriu um homem que se apresentou como agente penitenciário, além de um menino de 2 anos, na noite de domingo, em Anchieta, na Zona Norte do Rio. Arthur Dias Barbosa, que estava com os pais no Parque Granito, após a família ter saído de um culto numa igreja evangélica, foi atingido por uma bala perdida no braço esquerdo e passou por uma cirurgia no Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo.

Os pais de Arthur relatam os momentos de desespero ao verem o menino%2C de apenas 2 anos%2C baleado no braçoEstefan Radovicz/Agência O DIA

Ele precisou colocar uma platina no ombro. Testemunhas contaram que a confusão começou com uma discussão sobre o uso de drogas na praça, que é muito frequentada por famílias nos fins de semana. Arthur estava lanchando com os pais a manicure Rojane Dias, de 27 anos, e o pintor Abel Augusto Barbosa, de 33, como fazem todos os domingos, quando se viram no meio da troca de tiros. Pelo menos outras 20 crianças estavam também no local.

Arthur Dias Barbosa, de dois anos, baleado em Anchieta WhatsApp O DIA (98762-8248)

"Eu estava de costas, brincando com ele (Arthur), quando começou o tiroteio. Eu corri, joguei algumas crianças no chão e, quando o peguei no colo, ele já estava baleado", lembrou Abel.

Tudo teria começado quando José Fabio da Conceição Ribeiro, técnico de segurança do trabalho, que estava com a família, se irritou com um grupo que estaria fumando maconha no local. Ribeiro então se apresentou como agente penitenciário e exigiu que os homens parassem de usar a droga. Eles reagiram abrindo fogo contra Ribeiro, que também estava armado e revidou. Ele acabou baleado numa perna e foi encaminhado para o Hospital de Clínicas Antônio Paulino Pronil, em Nilópolis, na Baixada Fluminense.

Segundo o delegado titular da 31ª DP (Ricardo de Albuquerque), Renato Perez, Ribeiro não é agente penitenciário. "Ele já foi ouvido por agentes da 57ª DP (Nilópolis) e será intimado, novamente, para prestar depoimento na 31ª DP", afirmou.

Últimas de Rio De Janeiro