Milhares de pessoas participam de ato contra a intolerância religiosa

Manifestação aconteceu neste domingo, na praia de Copacabana

Por O Dia

Rio - Fiéis e líderes religiosos de diversas denominações participaram neste domingo da 10ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, na Praia de Copacabana. A tradicional mobilização teve um apelo específico: o da punição dos ataques a terreiros de candomblé. Segundo os organizadores do evento cerca de 50 mil pessoas participaram. Durante os discursos feitos no carro de som, houve defesa de líderes evangélicos em função da classificação tendenciosa usada por traficantes; a  cobrança de medidas urgentes para o estado e  homenagem a Mãe Beata de Yemanjá (falecida em maio deste ano). O evento teve apoio da Furacão 2000, que ofereceu um dos carros de som além de barracas de acarajé.

Milhares de pessoas participaram de ato contra a intolerância religiosa em Copacabana neste domingoMaíra Coelho / Agência O Dia

O presidente da Comissão Estadual de Combate à Intolerância Religiosa e Babalawo Ivanir dos Santos, ressaltou que a caminhada deste ano é um ‘grito de socorro’ e que os ataques a terreiros são terrorismo. "No momento em que obrigam os próprios adeptos a destruírem seu sagrado com uma arma, estamos diante de um ‘terrorismo religioso’”, afirmou. E acrescenta ainda que a caminhada é feita de esforços, já que não houve apoio da prefeitura. A pastora e Coordenadora do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs Lusmarina Garcia, defende que os ataques não são praticados por verdadeiros cristãos."Estas pessoas estão tomadas de ódio, que não faz parte da mensagem do Cristo.  E declara que essas atitudes não  passam de distorções do sentimento religioso", lamentou. 

O deputado federal Jean Willys do (PSOL-RJ) também marcou presença e definiu a caminhada como significativa no momento atual, no qual o fundamentalismo religioso está dominando o país. "Um estado democrático não pode tolerar  esse tipo de violência - que já acontece há tempo. A polícia, assim como, o ministério público, deve reagir!”.

O membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias  Boanerges Garro, defendeu que o som do atabaque não podem ser silenciados.  "Estamos engajados nessa luta e não podemos tolerar massacres como os de Nova Iguaçu. Temos o livre arbítrio, e não cabe a ninguém impedir as múltiplas expressões da fé", contou.

A neta da mãe beata de Yemanjá Laremí Oliveira, de 20 anos é candomblecista desde os dois meses de idade e dançava junto com umbandistas e wiccanos. E defende a manifestação de todos os credos. “Religião boa é aquela que não demoniza os deuses dos outros, mas  aquela que nos melhora cada dia mais, nos tornando amorosos”.

De julho até esta semana, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDHMI) contabilizou 32 casos de intolerância religiosa,sendo oito em Nova Iguaçu, na Baixa Fluminense, município como maior número de casas de religião de matriz africana da região.  O Disque Combate ao Preconceito funciona de segunda a sexta-feira, de 10h às 16h, através do número (21) 2334 9551. 

Reportagem do estagiário Matheus Ambrósio

Últimas de Rio De Janeiro