Polícia não descarta hipótese de incêndio criminoso na prefeitura de São Gonçalo

Perícia vai determinar causas do incidente, que afetou cinco secretarias. Prédio pode ser interditado totalmente

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil investiga se o incêndio que atingiu o prédio anexo da Prefeitura de São Gonçalo na sexta-feira, causando danos a cinco secretarias municipais, foi criminoso ou acidental. O edifício foi interditado parcialmente pela Defesa Civil. O delegado-titular da 72ª DP (São Gonçalo), Flávio Narcizo, esteve nesta terça-feira no local para acompanhar a perícia, que deve ficar pronta até sexta-feira, e não descarta nenhuma hipótese. 

Incêndio atingiu prédio anexo da Prefeitura de São Gonçalo FOTOS%3A Rommel Pinto/Parceiro/Agência O Dia

"Hoje (terça) nos reunimos na Prefeitura para definir quais locais se excluirão da interdição na Prefeitura, até porque é preciso ofertar serviços basicos ao cidadão. Os trabalhos da perícia prosseguem na quarta-feira pela manhã. Só com a evolução dos trabalhos, poderemos afirmar se a polícia técnica liberará o local para a Defesa Civil ou se prosseguirá com os trabalhos na quinta. A complexidade do caso pede uma atenção especial. Quanto às causas, se foi acidental ou provocado por ação humana, não descarto nenhuma hipótese", disse Narcizo ao DIA.

De acordo com o subsecretário de Defesa Civil, Antônio Haag, o local poderá ser fechado totalmente. "Chegamos às 7h de sábado, 4h após os bombeiros controlarem o incêndio, desligamos a energia e interditamos o prédio para garantir a segurança de quem trabalha lá. Hoje (terça) acompanhamos a perícia da polícia. Nossos técnicos fizeram uma perícia estrutural. Creio que até sexta-feira teremos o laudo pronto e saberemos se o prédio poderá ser liberado ou terá de ser interditado totalmente ou mesmo demolido, se acharmos que a estrutura está comprometida", explicou Haag.

Perícia vai determinar causa de incêndio em prédio anexo da Prefeitura FOTOS%3A Rommel Pinto/Parceiro/Agência O Dia

As pastas de Desenvolvimento Urbano, Compras e Licitações, Segurança Pública, Meio Ambiente e Planejamento foram danificadas mas, conforme a prefeitura, ainda não é possível calcular o prejuízo e nem mensurar o que foi perdido no incêndio, entre documentos e registros. Dos cerca de mil funcionários municipais, 360 estão sem trabalhar por conta do incidente.

O prefeito José Luiz Nanci (PPS) estuda realocar as pastas em caso de interdição total. "Neste momento, estamos focados em manter a máquina pública funcionando. Nosso sistema de informática foi prejudicado, e não estamos emitindo notas fiscais. Uma das preocupações é o salário dos servidores. A Fazenda não foi atingida, mas paramos os serviços por conta da interdição do prédio e a pasta precisa estar ativa. Nossa comunicação, no entanto, está ativa e a população vem sendo informada das mudanças. Cabe ressaltar que os demais órgãos funcionam normalmente", disse Nanci, que aguarda a conclusão da perícia. 

O incidente, segundo o prefeito, não afetará as comemorações do 127º aniversário do município, na sexta-feira. "Temos que levantar a cabeça e mostrar a nossa força. O desfilo cívico de São Gonçalo está mantido", afirmou.

Relembre o caso

Bombeiros de cinco quartéis foram acionados, por volta das 21h de sexta para controlar o incêndio no prédio da Prefeitura, na Rua Feliciano Sodré. Foram deslocadas 12 viaturas e 35 homens, que contiveram o fogo 6h depois. 

Pela Internet, usuários do Twitter e Facebook mostraram perplexidade com a altura das chamas. 

Além das pastas atingidas, funcionam no prédio as secretarias e subsecretarias de Fazenda, Agricultura, Trabalho, Desenvolvimento Econômico, Manutenção, Administração (Parques e Jardins), Cerimonial, Comunicação, Procuradoria, Controle Interno, Governo e Gabinete do Prefeito.

Últimas de Rio De Janeiro