PF faz operação contra grupo que explorava caça-níqueis no Rio

Objetivo dos agentes é cumprir 14 mandados de prisão preventiva e 17 de busca e apreensão nesta terça-feira

Por O Dia

PF faz operação contra grupo que explorava caça-níqueis na capital e no Sul FluminenseDivulgação

Rio - A Polícia Federal realizou, na manhã desta terça-feira, uma operação contra um grupo que explorava caça-níqueis no Rio. Além da capital, os agentes atuaram também em municípios do Sul Fluminense, como Barra Mansa, Volta Redonda e Resende. Com 110 policiais, a ação 'Mantus' tinha o objetivo de cumprir 14 mandados de prisão preventiva e 17 de busca e apreensão.

Até o momento, oito pessoas foram presas preventivamente, como o líder da organização criminosa, que é ex-PM. Além disso, um suspeito foi preso em flagrante com uma espingarda.

De acordo com as investigações da PF, um grupo criminoso, denominado como "A Firma", era comandado por um PM aposentado e possuía "uma estrutura hierárquica bem definida". A polícia explicou que dois integrantes cumpriam a missão de gerentes gerais e eram os responsáveis pelas "decisões imediatas e arrecadação dos lucros" obtidos com os caça-níqueis.

Segundo a PF, um dos suspeitos mantinha outros comparsas como subordinados para representá-lo. Pelo menos três deles foram identificados. Já os outros envolvidos se dividiam em diversas atividades irregulares, como na manutenção das máquinas, no gerenciamento e na montagem de cassinos, na promoção do elo de ligação com assessoria jurídica e construção de caça-níqueis com peças contrabandeadas.

Durante as investigações, os policiais apreenderam 11 equipamentos contrabandeados utilizados para exploração de jogo clandestinos. Para a PF, isso confirma o "alto nível de organização e penetração social do grupo, bem como o grande montante de lucro por eles obtido". Os investigados já foram denunciados criminalmente à Justiça por organização criminosa e contrabando.

Nas buscas desta terça-feira, uma arma de airsoft descaracterizada sem a ponteira colorida foi apreendida, mas o proprietário não foi localizado.

Últimas de Rio De Janeiro