Cabral aguarda decisão do Ministério da Justiça para ser transferido

Transferência para presídio federal atende a um pedido do MPF durante audiência. Na ocasião, ex-governador confrontou o juiz Marcelo Bretas

Por O Dia

Rio - O ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) aguarda a decisão do Ministério da Justiça para ser transferido para um presídio federal. A transferência atende a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) feito durante audiência na 13ª Vara Federal do Rio, quando Cabral, além de confrontar o juiz Marcelo Bretas, revelou conhecer detalhes pessoais da família do magistrado, o que foi interpretado como 'ameaça velada'. Bretas aceitou o pedido.

Cabral aguarda decisão do Ministério da Justiça para ser transferidoRodrigo Leal Felix / Gazeta do Povo

No entanto, até a publicação desta reportagem, ainda não tinha sido definida para qual unidade o ex-governador será transferido. Autor do pedido, o procurador da República Sérgio Pinel, argumentou que o réu Cabral demonstrou ter acesso a informações sigilosas, que não deveria conhecer. Ele foi condenado a 72 anos de prisão, em apenas três dos 16 processos em que é réu.

"O que levou o Ministério Público Federal a requerer a transferência de Sérgio Cabral foi uma afirmação no seu interrogatório de que teria obtido na prisão informações a respeito da vida da família do magistrado. Isto o MPF acha que é muito grave. A prisão não tem sido suficiente para afastar o réu de informações de fora da cadeia e levou a pedir sua transferência", explicou Pinel. Cabral está desde maio na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica.

Na mesma audiência, Cabral acusou o magistrado de querer aparecer às suas custas. "O senhor está encontrando em mim uma possibilidade de gerar uma projeção pessoal me fazendo um calvário", disse o ex-governador, que sofreu duas condenações de Bretas. Uma de 13 anos e outra de 45 anos (a terceira condenação, também de 13 anos, foi do juiz Sérgio Moro, de Curitiba). O advogado Rodrigo Roca, que defende o ex-governador, considerou a decisão arbitrária e ilegal. Roca disse que vai recorrer.

Últimas de Rio De Janeiro