Homem é difamado como estuprador em redes sociais após descobrir golpe

Metalúrgico entrou em contato com suposto funcionário de empresa para pedir detalhes de vaga. Ao descobrir golpe, teve foto viralizada na Web

Por O Dia

Suposta vaga de emprego para soldador Reprodução Internet

Rio - O boato fez mais uma vítima nas redes sociais. Um metalúrgico levou um susto quando viu uma publicação na Internet e no WhatsApp dizendo que ele era estuprador de menores de idade. A difamação ocorreu após Rafael de Oliveira, 38 anos, morador de Volta Redonda, recusar uma falsa oportunidade de emprego na semana passada.

Na última quarta-feira, Rafael entrou em contato com um suposto funcionário de uma empresa, identificado como Marco Antônio, que estava anunciando uma vaga de soldador. No entanto, a vítima começou a desconfiar do golpe quando soube que o salário seria de R$ 2.750.

"Entrei em contato com ele após receber a vaga por meio de um amigo. O falso funcionário mostrava entender muito bem da área e estava seguro do que falava. Foi um golpe bem elaborado. Comecei a desconfiar do esquema por causa do salário maior do que a média oferecida aqui em Volta Redonda", contou.

Antes de saber do valor do salário, Rafael chegou a enviar os documentos por um e-mail indicado pelo suspeito. A vítima ressaltou que teve certeza de que era um golpe quando o homem pediu o depósito de R$ 100 para um 'cafezinho'. 

"Ele disse que a vaga estava muito disputada e que precisava do dinheiro para garantir minha candidatura. Eu disse: 'você não tem vergonha de pedir isso para uma pessoa desempregada?'. E ele começou a me ameaçar, afirmou que ia arruinar minha vida, pois tinha meus documentos", lembrou a vítima.

No último sábado, uma amiga de Rafael o alertou sobre a publicação que estava viralizando nas redes sociais. "Atenção, sociedade brasileira! Este monstro está estuprando crianças em todo o estado. Foi visto em Volta Redonda. Vamos compartilhar até conseguir matar este monstro estuprador. Ele age nas portas das escolas oferecendo balas para as vítimas", dizia a postagem.

Rafael destacou que foi ameaçado nas Internet, mas não foi reconhecido nas ruas. A vítima registrou o caso na 93ª DP (Volta Redonda). O delegado adjunto Marcello Russo afirmou que os estelionatários têm diversas formas de agir nas redes sociais. Com isso, o rastreamento dos suspeitos se torna mais complicado, segundo o delegado.

"Eles falam que garantem a vaga e algumas pessoas acreditam. Como Rafael conseguiu perceber o golpe, o estelionatário divulgou uma publicação o caluniando nas redes sociais", completou Russo, acrescentando que o perfil do susposto agenciador também devia ser falso.

Com reportagem da estagiária Luana Benedito, sob supervisão da repórter

Últimas de Rio De Janeiro