A Polícia Militar pede socorro

Após morte de comandante do Batalhão do Méier, em tentativa de assalto, PM chama as Forças Armadas

Por O Dia

Rio - Em plena luz do dia, o comandante do Batalhão do Méier, coronel Luiz Gustavo Teixeira, 48 anos, foi morto a 750 metros da sede que ele mesmo comandava. Ele foi vítima de tentativa de assalto na Rua Hermengarda, morto provavelmente por tiro de uma pistola com kit rajada.

A morte do oficial fez com que o comandante-geral da PM, coronel Wolney Dias, solicitasse ao secretário de Segurança apoio das Forças Armadas para a ação de busca aos criminosos. Antes do reforço, porém, 300 PMs iniciaram a operação no Complexo do Lins, local em que acreditam ser o refúgio dos criminosos.

O Coronel Luiz Gustavo Teixeira estava em um carro descaracterizado%2C na Rua Hermengarda%2C no Méier%2C quando foi atingido no peito. A Delegacia de Homicídios investigaJotta Mattos/ Parceiro/ Agência O DIA

Importantes vias ficaram fechadas para a operação, como a Autoestrada Grajaú Jacarepaguá, liberada somente à noite. Nos próximos dias comboios de policiamento interceptarão pontos da Zona Norte, como Linha Amarela, e ruas Barão do Bom Retiro e 24 de Maio à procura dos criminosos.

Poucas horas após o crime, o policial Djalma Pequeno foi morto em outra tentativa de assalto, em Guadalupe. Agora, subiu para 112 o número de agentes mortos esse ano — média de um policial a cada dois dias e meio. “Não podemos aceitar a morte de policiais como fato natural. Atentar contra a vida do policial é atentar contra a soberania do Estado. É um ato de terrorismo”, afirmou Dias.

Comandante do 3º BPM%2C o coronel Luiz Gustavo Teixeira estava na corporação há 26 anosDivulgação

A Delegacia de Homicídios da Capital fez perícia no local. O coronel estava com seu motorista, o cabo Nei Filho, no momento do crime, que foi baleado na perna. Quatro bandidos bloquearam a viatura descaracterizada. Um deles desceu do carro com uma arma e começou o tiroteio. Nei se abrigou, fazendo disparos. Teixeira foi alvo dos bandidos por estar fardado. Foi atingido no peito.

O coronel foi vítima de um dos tipos de crime que tentava combater. Há um ano e seis meses à frente do batalhão, enfrentou a crise de verba para as viaturas. Segundo o Instituto de Segurança Pública, em agosto houve registro de 2.260 roubos na região, contra 1.240 do mesmo período de 2016. Desde a semana passada, a violência chama atenção na área: três pessoas foram baleadas perto de shopping, goleiro do Botafogo Jefferson teve o carro roubado e houve arrastão.

Relatório do Ministério Público aponta que o batalhão precisava, em agosto, de 1.470 policiais. Só tinha 544. O promotor que fez a vistoria escreveu: “A área tem altos índices de criminalidade, necessitando de efetivo maior”. Segundo o major Ivan Blaz, porta-voz da PM, com base em vídeos de moradores, a polícia já identificou bandidos.

Três horas após o crime, uma mulher foi assaltada na Rua Paulo Silva Araújo, também no Méier.

Comandante foi assassinado no bairro onde nasceu e cresceu

O comandante deixará saudade também para moradores da região, onde nasceu, foi criado e morreu. Consternados com o assassinato, muitos foram até o Hospital Salgado Filho saber o que tinha acontecido. A dona de casa Maria Pinheiro de Freitas, 65 anos, contou que tinha até o telefone e endereço do coronel para pedir ajuda quando precisava. "Ele brigava e morria pela gente. Quando uma árvore caiu minha rua e ficou dois dias sem luz, ele foi lá e deu ordem de prisão ao cara da Light que não queria religar a luz. A gente chamava e ele sempre estava a pronto. O pai do Méier era ele", disse.

PM é transferido do Hospital Salgado Filho para o Hospital da Polícia Militar%2C no EstácioAlexandre Brum / Agência O Dia

Morador do bairro há 47 anos, o enfermeiro aposentado José Gouveia Filho, 67, defende que o combate à violência depende de leis mais rígidas contra criminosos. "Entra ano e sai ano, sempre temos essa insegurança. Leis temos muitas, mas não funcionam. A gente não pode ter pena de bandido, vagabundo. Perdemos um grande comandante", ressaltou.

Os moradores estão programando uma missa de Sétimo Dia para Luiz Gustavo Teixeira, que deve ser realizada na Basílica do Imaculado Coração de Maria.

Teixeira era querido também para colegas de farda e superiores. O comandante geral da PM, coronel Wolney Dias, classificou-o como um "oficial digno, comprometido e que amava muito a instituição". "O coronel Teixeira era residente aqui na área do batalhão, nasceu aqui, foi criado aqui, tinha um profundo carinho pela unidade. Tenho certeza que estava realizando um sonho profissional de comandar essa unidade. Nós sentimos muito. Tenho o coronel Teixeira como amigo dedicado e profissional exemplar muito querido por todos", homenageou Dias.

Cabo morto em shopping

O cabo Djalma Veríssimo Pequeno foi atingido por três disparos, durante a tentativa de assalto a uma joalheria no shopping Jardim Guadalupe, e morreu no local. Djalma era lotado no 41º Batalhão (Irajá), assim como o soldado Alex Morais de Andrade, que estava com ele no shopping e foi baleado na perna. Segundo a PM, os dois estavam de folga.

PM foi morto em uma tentativa de assalto no Shopping Jardim GuadalupeReprodução Internet

Ele foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Albert Schweitzer. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele já foi atendido e liberado.Um policial militar morreu e outro ficou ferido, na tarde desta quinta-feira, durante uma tentativa de assalto a uma joalheria no Shopping Jardim Guadalupe, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio. De acordo com o comando 41º BPM (Irajá), os dois policiais estavam de folga.

O policial morto foi identificado como Djalma Veríssimo Pequeno. Já o militar baleado foi levado para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, Zona Oeste do Rio. Ainda não há informações sobre o estado de saúde da vítima. Com esse caso, sobe para 112º policiais mortos no estado em 2017.

Em nota, o Shopping Jardim Guadalupe informou que está colaborando com as investigações sobre o incidente ocorrido na tarde desta quinta-feira. O centro comercial disse que está funcionando em horário normal.

Com Adriano Araújo, Francisco Edson Alves, Gabriela Mattos, Karilayn Areias e a estagiária Luana Benedito

Últimas de Rio De Janeiro