Órgãos de menino que teve morte cerebral após ser baleado começam a ser captados

Programa Estadual de Transplantes (PET) fez retirada dos órgãos de Vitor Gabriel Leite Matheus Coelho, de 3 anos, no Hospital de Nova Iguaçu

Por O Dia

Vitor Gabriel, de 3 anos, teve morte cerebral nesta quinta-feira. Seus órgãos serão doadosReprodução

Rio - Equipes do Programa Estadual de Transplantes (PET), da Secretaria Estadual de Saúde, realizaram na manhã desta sexta-feira no centro cirúrgico do Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Baixada, a captação dos órgãos do menino Vitor Gabriel Leite Matheus Coelho, de 3 anos, que teve morte cerebral ontem. O procedimento foi concluído por volta de 13h. A criança foi atingida com um tiro na cabeça quando brincava na sala de casa em São João de Meriti, na mesma região.

Segundo a coordenação do programa, os médicos avaliaram quais órgãos poderiam ser captados. Dependendo da análise da equipe, podem ser liberados para doação córneas, coração, rins e fígado. Tecidos e ossos também podem ser aproveitados.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), a legislação brasileira não permite a identificação dos receptores dos órgãos A coordenação do PET disse ainda que a destinação de órgãos doados segue critérios técnicos, onde são observadas, entre outros, a compatibilidade e as condições clínicas dos inscritos na Central Estadual de Transplantes de unidades de saúde de todo o estado.

A família do menino Vitor Gabriel espera a liberação do corpo após a retirada dos órgãos para pode realizar o enterro, que será em São João de Meriti.

'Como vou viver sem meu nego?', desabafa mãe

"Nem dentro de casa meu filho teve segurança. Agora, como vou viver sem o meu nego? Só Deus sabe. Pelo menos sei que os órgãos dele vão ajudar a salvar outras vidas”, disse a dona de casa Adriana Maria Leite Matheus, 28, mãe de Vitor, que autorizou a doação dos órgãos após a morte cerebral ser confirmada.

De acordo com o diretor-geral do Hospital da Posse, José Sestello, o caso de Matheus tornou-se irreversível na quarta-feira. “Foi aberto o protocolo de transplante (de órgãos) ontem (quarta). Esse protocolo na criança precisa de 24 horas de observação. E o exame de eletroencefalograma confirmou agora há pouco a morte cerebral”, disse.

Últimas de Rio De Janeiro