Informe: Pezão estuda se lançar candidato a deputado federal em 2018

Além de dar continuidade à vida política, o mandato garantiria a manutenção do foro privilegiado em meio às investigações da Lava Jato

Por O Dia

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) estuda se lançar candidato a deputado federal no ano que vem. Além de dar continuidade à vida política, o mandato garantiria a manutenção do foro privilegiado em meio às investigações da Operação Lava Jato. O peemedebista tem ouvido essa recomendação de aliados de diferentes partidos, mas ainda não bateu o martelo.

O grupo que defende a candidatura não vê empecilho na baixa popularidade de Pezão apontada em recentes pesquisas. Avaliam que historicamente todos os ex-governadores que concorreram à Câmara Federal logo após deixar o Palácio Guanabara conseguiram se eleger.

Agenda positiva

A campanha de Pezão rumo a Brasília seria embalada por uma agenda positiva do governo estadual em 2018, quando poderá usar a verba oriunda do pacto de recuperação financeira com a União.

Mas...

Pezão tem incentivado a candidatura de aliados, como o seu chefe da Casa Civil, Christino Áureo (PP), a deputado federal. O movimento é interpretado por alguns como desinteresse de Pezão em concorrer ao posto. Será?

O nome do governador

O deputado estadual Edson Albertassi (PMDB) será indicado hoje por Pezão para ocupar a vaga no Tribunal de Contas do Estado deixada pelo ex-conselheiro Jonas Lopes, que se aposentou após confessar participação em esquema de corrupção no TCE e delatar mais cinco conselheiros. A publicação sairá no Diário Oficial desta terça-feira.

Que soe o gongo

O Informe antecipou em setembro, na nota 'Albertassi x Verdini', que Albertassi era o favorito de Pezão na Assembleia Legislativa. Ocorre que grupo de servidores do TCE pleiteia a vaga de Jonas Lopes para um dos três auditores substitutos que ingressaram no tribunal por meio de concurso público neste caso, o indicado seria Marcelo Verdini Maia. A decisão deve parar na Justiça.

Saúde

O vereador Paulo Pinheiro (Psol) encabeça um movimento na Câmara Municipal para reprovar o orçamento que a prefeitura pretende destinar à Saúde em 2018. "Há queda de investimento em hospitais como Miguel Couto (R$ 13 milhões a menos em relação a 2017), Loureço Jorge (R$ 16 milhões) e Pedro II (R$ 24 milhões). Os gestores desses hospitais são mágicos? Não há inflação?"

Problema em dobro

"O governo anterior criou um monstro chamado gestão compartilhada, com Organizações Sociais. Hoje temos duas secretarias: uma para atender às 173 unidades de Saúde administradas por OSs e outra com 149 unidades onde atuam concursados", conclui Pinheiro.

Arrastões: até quando?

O ator Hélder Agostini foi assaltado dentro do Zona Sul da Rua Marquês de Abrantes, no Flamengo, no sábado. Homens com pistola fizeram a limpa em clientes e funcionários do mercado após assaltarem a lanchonete ao lado.

Embolado

Levantamento da Orbe Pesquisa aponta empate técnico entre cinco possíveis candidatos ao Senado: Garotinho (PR), Eduardo Lopes (PRB), Lindberg (PT), Martha Rocha (PDT) e André Corrêa (DEM). Também no bololô, Leonardo Picciani (PMDB) caminhará com Corrêa.

Últimas de Rio De Janeiro