Megaoperação reúne milhares de militares mas não apreende fuzis

Forças de segurança prendem oito, mas líder do tráfico no Complexo do Salgueiro não foi encontrado

Por O Dia

Rio - As polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária Federal realizaram ontem mais uma megaoperação em conjunto com as Forças Armadas e Força Nacional a fim de localizar e prender criminosos que atuam no Complexo do Salgueiro e na comunidade Anaia, em São Gonçalo. Pelo menos 3,5 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica realizaram o cerco nas favelas, que contou com 24 blindados e 18 embarcações. Nenhum fuzil foi apreendido e Thomaz Jhayson Vieira Gomes, conhecido como o 2N do Salgueiro, um dos principais procurados na ação e apontado pela polícia como chefe do tráfico na região, não foi localizado.

Militares da Marinha fizeram cerco às praias da Baía de Guanabara%2C ao redor do Complexo do SalgueiroSeverino Silva / Agência O Dia

Oito suspeitos foram presos e um menor apreendido. Foram recuperados seis carros, quatro caminhões e três motos, além de munição, material para endolação de entorpecentes e grande quantidade de drogas, segundo a Secretaria Estadual de Segurança. Uma Mercedes vermelha, que pertenceria a 2N e está avaliada em R$ 200 mil, foi apreendida.

Dois agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram baleados, sem gravidade, e um terceiro teve uma queda da motocicleta, sem ferimentos. O deslocamento dos militares começou por volta das 3h e chegou a fechar a Ponte Rio-Niterói por alguns instantes. O cerco foi encerrado às 16h. Segundo a PM, devido à operação nas favelas, quatro criminosos do Complexo do Salgueiro fugiram de barco para a Ilha de Paquetá.

Militares retiraram barricadas pontiagudas com botijões nas pontas que impediam a passagem da políciaSeverino Silva / Agência O Dia

De acordo com a corporação, eles saíram de Itaoca, em São Gonçalo, e teriam se escondido na localidade conhecida como Cocheira. Lá, eles trocaram tiros com PMs e um suspeito foi preso. Os outros três comparsas fugiram.

Fuga para Paquetá

O porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), coronel Roberto Itamar, descartou a possibilidade de os bandidos terem furado o cerco da Marinha. "A informação que recebemos é que os bandidos saíram do Salgueiro para Paquetá antes do amanhecer, e quando tentaram voltar para São Gonçalo encontraram os militares e fugiram de volta para Paquetá. Era impossível passar pelo cerco da Marinha."

Para o coronel Itamar, a operação foi um sucesso. "Só o fato de os policiais conseguirem entrar em uma rua em que o estado não tinha aceso, é uma vitória muito grande", ressaltou o coronel, lembrando que os militares removeram barreiras do tráfico. Ainda segundo o coronel Itamar, não houve troca de tiros entre os militares e traficantes.

A PRF informou que os dois agentes foram baleados no pé. Os agentes haviam recebido a informação de que bandidos do Complexo do Salgueiro estariam armados na Niterói-Manilha, perto do pedágio, e foram recebidos a tiros. Os criminosos fugiram.

Pezão quer fundo de segurança com taxa sobre jogos

O governador Luiz Fernando Pezão defendeu a aprovação do projeto que regulamenta jogos de azar para que os impostos arrecadados no setor sejam direcionados para um fundo de segurança pública, ainda a ser criado. A proposta tem apoio do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Pezão disse também ter conversado sobre a proposta com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). De acordo com o governador, Maia teria sido "sincero" e afirmado que melhor do que aprovar o projeto seria aprovar a reforma da Previdência. "Ele disse: vocês vão usar esse fundo por dois, três anos, mas a Previdência engole tudo que é receita nova. Melhor aprovar a reforma da Previdência", afirmou Pezão.

O governador também minimizou o recente atrito com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, que, segundo ele, não prejudicou as relações do estado com o governo federal. Na semana passada, Jardim afirmou que o comando da Polícia Militar do Rio é indicado por deputados e pelo crime organizado. Para o governador, a posição do titular da pasta da Justiça foi pessoal e não representa o que pensa o governo Michel Temer.

"Não teve problema com o ministro Torquato. Nos damos super bem. Ele emitiu uma opinião pessoal, não foi posição de governo. O presidente Michel Temer tem nos tratado bem", declarou Pezão. Na semana passada, o governador anunciou que interpelou o ministro na Justiça para que esclarecesse as declarações.

Acusado foi preso dentro de motel

Para fugir ao cerco das forças de segurança ao Complexo do Salgueiro ontem, um acusado de tráfico buscou abrigo em um motel da Rodovia Niterói-Manilha. Marcos Antonio Bonfim Cosmo, de 26 anos, foi localizado por PMs do Serviço Reservado (P-2) do 7º BPM (Alcântara). Contra ele havia mandado de prisão preventiva por Associação ao tráfico desde junho deste ano. No mesmo quarto de motel havia outro homem, mas, segundo a polícia, não foi encontrada acusação contra ele, que acabou liberado.

Os policiais cercaram o motel e entraram no quarto com uma camareira. Segundo PMs, o acusado, que não reagiu, teria contado que estava no Salgueiro quando soube que a operação que aconteceria e saiu da comunidade antes da chegada das forças de segurança. A operação conjunta com tropas federais foi a oitava no Rio desde o início do decreto de Garantia da Lei e da Ordem em vigor.

 

Últimas de Rio De Janeiro