Adriana Ancelmo chega a presídio onde também está Cabral

Condenada a 18 anos e 3 meses, ex-primeira dama cumpria prisão domiciliar, referente à investigação

Por O Dia

Rio - A mulher do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, deixou seu apartamento no Leblon, no início da noite desta quinta-feira, e voltou para a cadeia. A ordem de prisão preventiva partiu da 1ª Seção Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2). Os desembargadores acataram o pedido do Ministério Público Federal (MPF) pela revogação do recolhimento domiciliar que beneficiava a advogada desde março.

Adriana (de gola branca no banco de trás) fez exame de corpo de delito e chegou às 20h15 na prisãoLuiz Ackermann / Agência O Dia

Condenada em primeira instância, em setembro, a 18 anos e 3 meses de prisão por lavagem de dinheiro e associação criminosa, no âmbito da Lava Jato, Adriana foi para o presídio José Frederico Marques, em Benfica, destinado a presos com ensino superior, foro privilegiado ou determinação judicial. Além de Sérgio Cabral, estão na mesma cadeia os ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho e os deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi.

O julgamento, realizado à tarde, terminou com 3 votos a 2 pela conversão do regime domiciliar para fechado. Os desembargadores Abel Gomes e Paulo Espírito Santo acompanharam o voto do relator, Marcello Granado, a favor da volta de Adriana para a cadeia. Simone Schreiber e Ivan Athié, que presidiu a sessão, divergiram dos três primeiros.

A prisão domiciliar havia sido autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O advogado de defesa, Renato de Moraes, argumenta que a ex-primeira-dama tem esse direito porque seu filho mais novo é menor de 12 anos (tem 11) e precisa da presença da mãe. Moraes avisou que vai recorrer ao STJ. Adriana chegou a ficar reclusa em Bangu de dezembro, quando foi presa na operação Calicute, até março.

O MPF sustentou que o regime domiciliar representava "quebra de isonomia", já que milhares de mães brasileiras estão presas. Ponderou também que a liberdade da ré compromete a garantia da ordem pública e da instrução criminal, tornando "altamente provável" a continuidade da ocultação de patrimônio obtido ilicitamente por ela e pessoas próximas.

"O próprio Supremo (Tribunal Federal) e o STJ já decidiram que tem que ser analisado caso a caso, a situação familiar de cada mulher, os crimes cometidos, e aí sim ser proferida uma decisão com relação especificamente a cada presa que possui filho menor de 12 anos", disse a procuradora-regional da República Mônica de Ré.

Felipe Picciani mantido preso

A Justiça converteu ontem a prisão temporária de Felipe Picciani em preventiva (sem prazo determinado). Com a medida, o filho do presidente da Alerj, Jorge Picciani, detido na mesma prisão que o pai, não tem data para sair da cadeia pública de Benfica. Felipe administra fazenda da família em Minas Gerais. Ele foi preso há 11 dias na Operação Cadeia Velha.

 



Últimas de Rio De Janeiro