Presença de pastor em terreiro gera polêmica na comunidade evangélica

Nas redes sociais, as opiniões se dividiram, com diversas mensagens de apoio e também muitas críticas a Kleber Lucas

Por O Dia

Rio - Polêmica na comunidade evangélica. A recente visita do pastor e cantor gospel Kleber Lucas ao terreiro Kwe Cejá Gbé, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, semana passada, gerou reações calorosas. Nas redes sociais, as opiniões se dividiram, com diversas mensagens de apoio e também muitas críticas.

"Esperava uma reação de hostilidade, sim. Existem muitas pessoas para as quais a fé é um instrumento belicoso. Não conseguem conviver com quem pensa diferente. Posso afirmar com toda certeza que essas pessoas não entenderam a mensagem de Cristo. Nós ainda estamos falando de tolerância quando deveríamos falar de respeito", pondera Kleber Lucas.

Incendiado em 2014%2C o terreiro recebeu doação de R%24 11 mil. Dinheiro vai ser usado para pagar a reformaReprodução Internet

Pastor há quatro anos da Igreja Batista Soul, na Barra da Tijuca, e com 25 de carreira como cantor gospel, Lucas conta que decidiu ir ao Kwe Cejá Gbé para participar de um ato de solidariedade. Na ocasião foi feita a entrega de uma doação, pela Igreja Cristã de Ipanema, de R$ 11 mil. O dinheiro, arrecadado por iniciativa da pastora luterana Lusmarina Campos Garcia, presidente do Conselho de Igrejas Cristãs do Estado do Rio (CONIC-Rio), vai ser usado para a reforma do terreiro, incendiado em 2014.

"Um espaço considerado sagrado para um segmento foi violado pela violência, fruto da intolerância religiosa. A atitude de alguns líderes é a melhor resposta para esse ambiente de ódio e intolerância que está varrendo nosso país num momento em que precisamos estar mais unidos", acredita.

Para o pastor, todas as mensagens que foram parar nas redes sociais positivas e negativas demonstraram que está mais do que na hora de aprender a conviver com as diferenças. Ele também acrescenta que é preciso aprender a ter mais respeito para uma formar consciência cidadã e, assim, evitar a intolerância religiosa. "Cada ser humano é um, mas o Pai é nosso e tem muitos filhos. Não podemos julgar nosso irmão por seu pecado ser diferente do meu", avalia.

O pastor também se apresentou ao lado dos músicos do terreiroReprodução Internet

NA INTERNET

Nas redes sociais, a ida de Kleber Lucas ao terreiro dividiu opiniões. Muitas foram as mensagens de apoio, mas também houve várias críticas à presença dele no local. "Estive com o meu pastor Kleber Lucas hoje, em Caxias, num dia pra eternizar na memória, no barracão de candomblé que foi incendiado há um tempo atrás. Quão bom que os irmãos vivam em comunhão", elogiou um internauta.

Por outro lado, o pastor recebeu críticas bem incisivas. "Não se pode servir a dois senhores, pastor! Deus certamente não se agrada dessa sua atitude", criticou um internauta. "Que ponto o Kleber Lucas chegou... Respeitar a religião dos outros não tem nada a ver com concordar! Participar! Está na roda! Que atitude pífia!", reclamou outro.

Últimas de Rio De Janeiro