Força-tarefa contra a sujeira

Operação Lixo Zero é reforçada em Bangu. Em seis horas, 9 pessoas foram multadas

Por O Dia

Rio - O famoso Calçadão de Bangu foi o escolhido pela Prefeitura do Rio para receber a força-tarefa da Operação Lixo Zero, que aplica multas para quem sujar a cidade. Os agentes vão intensificar a fiscalização no bairro até quinta-feira. Até a tarde de ontem, nove pessoas tinham sido multadas por jogar resíduo no chão. Dois estabelecimentos foram notificados por não ter contrato com empresas de coleta especial e um recebeu infração por não ter cumprido essa exigência.

O valor das multas varia de acordo com a quantidade de lixo despejado pelo infrator. Quem soltar uma guimba de cigarro no chão, por exemplo, pagará o mínimo, de R$ 205,60. Já o comerciante que acumular sacolas com resíduos pelas ruas e não contratar empresa para remover o lixo, pode ser penalizado em até R$ 4.112,80, valor máximo.

Nas primeiras horas de fiscalização%2C dois idosos foram multadosMaíra Coelho / Agência O Dia

De acordo com o presidente da Comlurb, Rubens Teixeira, que esteve ontem no Calçadão, o grupo de trabalho foi reforçado em Bangu, atendendo a demanda dos moradores. "É sempre uma situação pessoalmente desconfortável para cada um de nós, mas é o nosso dever. A nossa obrigação é cobrar. Se não cobrarmos, a sociedade irá nos cobrar pela ineficiência".

O bairro terá 18 fiscais, sendo 12 exclusivos para monitorar a população e seis para checar se as empresas estão cumprindo as regras de descarte. Pelo menos 15 guardas municipais vão apoiar a ação.

Reforço de agentes do Lixo Zero vai permanecer no bairro até quintaMaíra Coelho / Agência O Dia

Ação aprovada

Quem passou pelo Calçadão avaliou positivamente a operação, mas pediu a instalação de mais lixeiras. Logo nos primeiros minutos da fiscalização, dois idosos foram multados por descartar guimbas de cigarro no chão. Algumas pessoas pediram que haja maior número de ações para limpeza de equipamentos, como as escadas rolantes no bairro.

"Não consigo nem encostar na escada rolante, devido ao excesso de lixo. Falta conscientização da população", cobrou Maria Francisca Malta, 61 anos. A dona de casa Catyele de Oliveira de Souza, 20, acrescentou que a ausência de lixeiras no bairro não é desculpa para sujar o chão.

Ampliação para outros bairros do Rio

A força-tarefa do Lixo Zero será ampliada para outros bairros, segundo o presidente da Comlurb. Rubens Teixeira ressaltou ainda que a população pode solicitar fiscais da prefeitura pelo Portal 1746. "Faremos uma ação forte em outros bairros, de olho nas regiões por onde passamos", explicou Teixeira.

A fiscalização do Lixo Zero, que funciona no Rio desde 2013, é feita por duplas de guardas municipais e agentes da Comlurb. Caso o cidadão seja flagrado cometendo irregularidade, o CPF é solicitado para emissão do Auto de Constatação, que é passível de recurso. O documento é impresso no momento da abordagem. Quem for multado e não quitar o débito pode ter o nome inscrito no SPC e no Serasa.

 

Últimas de Rio De Janeiro