Prisão por desvio de verba

Contratos ilícitos em Cabo Frio seriam nas áreas de iluminação, limpeza e ambulâncias

Por O Dia

Rio - A Polícia Federal desmantelou uma organização criminosa que, segundo investigação iniciada em fevereiro, desviou entre R$ 60 milhões e R$ 70 milhões da Prefeitura de Cabo Frio em contratos ilícitos para serviços de limpeza, iluminação pública e aluguel de ambulâncias. Cláudio de Almeida Moreira, presidente da Comsercaf, autarquia responsável por atividades de conservação e manutenção no município, foi preso anteontem apontado como chefe do esquema.

Cláudio Moreira foi preso apontado como chefe do esquemaDivulgação

Outras três pessoas foram presas na Operação Basura (lixo em espanhol), que teve apoio do Ministério Público, em seis municípios do estado e em Minas Gerais: Antonio Carlos Leal Carvalho Filho, Bruno Toledo e Pablo Angel Santos Rodrigues. Foram cumpridos 39 mandados de busca e apreensão e 13 de condução coercitiva.

Segundo as investigações, conduzidas pela PF em Macaé, a Comsercaf contratou, sem licitação, a Prime Serviços Terceirizados em janeiro. A empresa, que pertence aos presos Bruno e Pablo e tem sede em Alfenas (MG), foi contratada por quase R$ 3 milhões mensais para a limpeza pública sem capacidade técnica e financeira.

"O presidente da Comsercaf buscou nos dois empresários seus parceiros para a empreitada criminosa. Como empresa com capital de R$ 200 mil é escolhida para um contrato de mais de R$ 3 milhões?", disse o delegado federal Felício Laterça. Segundo ele, Antonio Carlos contratava funcionários fantasmas para a Comsercaf. "Identificamos duas pessoas com salários em torno de R$ 4,8 mil que não trabalhavam. R$ 500 eram tirados para um laranja que emprestava seu nome, pegava parte para ele e dava R$ 3 mil para agente público." 

Indício de fraude até em pregão

A investigação aponta que a Comsercaf superfaturava o contrato de iluminação, acumulando desvios de R$ 3 milhões. A maior parte (R$ 60 milhões) seria da coleta de lixo. "Os contratos de iluminação de Cabo Frio custavam mais de R$ 500 mil por mês. Cidades como Londrina e Guarulhos gastam de R$ 130 a R$ 140 mil", ressaltou Laterça. Há indício de fraude no pregão que efetivou o contrato definitivo de manutenção.

As ambulâncias locadas pela prefeitura eram de uma empresa controlada pelos mesmos empresários responsáveis pela coleta de lixo e tinham má conservação. O prefeito Marquinho Mendes não aparece nas denúncias. Interceptação telefônica mostrou que Cláudio Moreira tentou usar a influência do deputado estadual Iranildo Campos (PSD) para derrubar o comandante do 25º BPM em abril, mas não conseguiu. Campos afirmou que não é amigo de Moreira, que não conhecia a finalidade do pedido e que não levou a solicitação à frente. O DIA não conseguiu contato torno com a prefeitura, a Comsercaf e a defesa dos presos.

 


Últimas de Rio De Janeiro