Natal com luz elétrica e preocupação em Ponta Negra

Comunidade em Paraty tem primeiro fim de ano com energia, mas teme que o progresso atraia violência

Por O Dia

Rio - Pela primeira vez, a comunidade caiçara de Ponta Negra, em Paraty, irá passar um Natal com luz elétrica. A árvore com pisca-pisca, inclusive, já foi montada nas areias da praia. Se por um lado a comunidade de pescadores está feliz com a chegada da energia elétrica, por outro, alguns temem que o progresso possa acarretar mudanças na cultura e até levar a violência para o local, que nunca registrou sequer um assassinato.

"Os mais antigos têm receio que as crianças se deslumbrem com a TV, que vejam cenas de violência e até a luz traga estrada para cá. Mas a maioria é a favor da energia sim", afirmou um caiçara, que pediu para não ser identificado.

Moradores de Ponta Negra%2C em Paraty%2C comemoraram a chegada da energia elétrica no dia 9 deste mêsDivulgação

Outro pescador, Wanderley dos Remédios, 44, conhecido como Careca, disse que a luz é uma vitória. "A energia é um sonho. Quem não quer um conforto? Cozinhar sem ter vela, geladeira", disse. Seu irmão, que se identificou como Teteco, disse que irá melhorar a venda de peixes. "Às vezes a gente faz um pescado bom e não tem como armazenar, perde tudo. Agora, isso tem solução. Algumas mães têm preocupação com a televisão, internet... Mas assim como a maioria, acredito que a luz era algo esperado por todos", disse.

Segundo uma advogada que atua na região, o principal problema de Ponta Negra é a Educação. "As crianças só estudam até a quarta série. Isso sim leva à violência. A exclusão social é algo que fomenta a criminalidade. Claro, que a cultura deles, que é riquíssima, pode ser modificada pela alienação que a televisão traz. Mas isso é combatido com Educação", disse.

Paraíso só tinha luz de velas e energia criada por geradoresDivulgação

Conforme O DIA mostrou esta semana, os municípios de Angra dos Reis e Paraty sofrem com a escalada da criminalidade. Ao mesmo tempo, o batalhão da PM que atende a esses municípios está com efetivo abaixo do ideal e não possui nem rádios de comunicação.

A produtividade policial aumentou assim como a criminalidade, o que fez o delegado Bruno Gilaberte, titular de Angra, afirmar que "a questão não passa só pela polícia, o contexto sócio-econômico é que desemboca nesse tipo de criminalidade que, no final das contas, exige a intervenção policial".

Em outubro, Angra foi o terceiro batalhão com o maior registro de autos de resistência no estado, com nove casos. Nos primeiros 10 meses houve 26 mortes provocadas pela polícia. Uma delas de um inocente: a do jovem Tovick Coelho, 16 anos, atingido por tiro disparado por policial que tentava evitar fuga de criminosos.

Caiçaras tinham só geradores

A chegada da energia para Ponta Negra surgiu da parceria do governo federal com a Prefeitura de Paraty. Até então, a única opção de acesso à luz para 400 moradores eram geradores. Para que a rede fosse instalada, a Concessionária Enel construiu rede de distribuição de média tensão que interliga a Praia do Sono à localidade de Ponta Negra, passando pela trilha das praias dos Antigos e Antiguinhos. Foram instalados 192 postes de fibra, 15 transformadores e oito kms de cabo elétrico isolado de média e baixa tensão, para não causar danos à fauna.

As comunidades de Ponta Grossa, Saco do Mamanguá e Pouso do Cajaíba, também receberam a energia pelo programa Luz Para Todos. No total, dois mil caiçaras que não tinham acesso à energia elétrica na Região Costeira de Paraty passaram a ter eletricidade em casa. Nas quatro comunidades, foram instalados 1.289 postes e 40 kms de rede de distribuição.

Últimas de Rio De Janeiro