Parente reconhece família morta em acidente com caminhão na Avenida Brasil

Homem, mulher e casal de crianças voltavam para Cabo Frio após passar natal na casa de familiares em Campo Grande

Por O Dia

Rio - As quatro vítimas da mesma família que estavam em um carro atingido por um caminhão que entrou na contra-mão na Avenida Brasil na noite desta segunda-feira foram identificadas como sendo da mesma família — um pedreiro, a esposa, o filho do casal e a afilhada da mulher. Eles eram de Cabo Frio e voltavam para casa após passar o natal na casa dos avós maternos das crianças, em Campo Grande. A identificação foi feita pelo irmão da mulher, Francine, que disse se chamar Denis. O motorista do carro, Naldo, era pedreiro e estava construindo a casa da família em Cabo Frio. Ele era pai de Cauã, de 7 anos. A menina, Ermínia, era afilhada de Francine.

Os pais de Naldo saíram de Cabo Frio, na Região dos Lagos, e são esperados para ceder material genético para os exames de DNA que podem identificar os corpos carbonizados. Os nomes completos das vítimas ainda não foram divulgados pelas autoridades.

Colisão também causou um incêndio. Corpos foram carbonizadosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

O motorista do caminhão e de um dos três carros envolvidos no acidente foram socorridos no Hospital Getúlio Vargas e liberados na manhã desta terça-feira.

Segundo o delegado da 38ª DP (Brás de Pina), Delmir Gouvea, que investiga o caso, no local do acidente, na altura de Cordovil, não há guard rail (defensa metálica) separando as pistas. Isso teria permitido que o caminhão atravessa as pistas e entrasse na contra-mão, depois de o motorista, supostamente, ter perdido o controle.

De acordo com testemunhas, não chovia no momento da colisão e Deloney teria afirmado que o para-brisa do caminhão foi atingido por uma pedra jogada por bandidos de um viaduto. No entanto, um perito disse ao DIA que não foi identificada marca de pedrada no veículo em análise preliminar e que havia blocos de concreto (gelos-baianos) entre as pistas.

Irmão de Naldo se desespera na porta do IML. Ele reconheceu parentes mortos no instituto Severino Silva / Agência O Dia

Uma perícia foi realizada no local. Os agentes buscam outras testemunhas que possam ajudar nas investigações e também aguardam os resultados dos laudos periciais. Os corpos vão passar por necropsia ainda nesta terça. O delegado pretende ouvir todos os envolvidos após receber os laudos do Instituo Carlos Éboli e da perícia, que devem ser concluídos de 30 a 60 dias. 

Um representante que seria da empresa Transbrasil, responsável pelas obras do BRT na Avenida Brasil, entregou a mochila da criança na delegacia.

Perito analisa cena do acidente na Avenida Brasil. Colisão destruiu famíliaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Pista sem mureta divisória

O caminhão-reboque seguia no sentido Zona Oeste carregando outro carro na caçamba. Na altura de Cordovil, o motorista teria perdido o controle, invadiu a pista sentido Centro e bateu em outro veículo. Um terceiro carro que vinha logo em seguida também se envolveu no acidente. Com o choque, o carro que era transportado pelo caminhão tombou na pista.

A colisão resultou em um incêndio e as vítimas foram carbonizadas. O motorista do caminhão foi identificado como Deloney de Araújo Filho e o motorista de um dos carros foi identificado como Eduardo Porteira de Oliveira.

Carro pegou fogo após colisãoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

De acordo com a direção do Hospital Getúlio Vargas, "os pacientes Eduardo Porteira de Oliveira e Deloney de Araújo Filho foram atendidos na unidade, passaram por avaliação médica, exames e receberam alta hospitalar na manhã desta terça-feira".

As duas pistas, uma em cada sentido da Avenida Brasil, foram interditadas na altura de Cordovil, de acordo com o Centro de Operações Rio (COR). No fim da madrugada, um caminhão de laranjas tombou na pista sentido Zona Oeste, altura de Acari, e a via precisou ser fechada.

Motorista é dono de reboque

?O condutor do caminhão é proprietário de uma empresa de reboques com endereço no bairro Baldeador, em Niterói, e estava a serviço da seguradora de veículos Porto Seguro. A empresa de Deloney tem o nome fantasia Rapido Leao de Judai e a razão social Deloney de Araujo Filho Reboque de Veiculos.

A Porto Seguro se pronunciou por meio de nota: "Esclarecemos que estamos contribuindo com as autoridades no levantamento das condições da ocorrência e aguardamos a apuração das causas e responsabilidades do acidente. A empresa lamenta o ocorrido e se solidariza com as famílias das vítimas."

Seis mortos na BR-393

?Seis pessoas morreram, sendo três crianças (de 4, 5 e 6 anos), em um outro acidente envolvendo dois carros na Rodovia BR-393, na altura de Paraíba do Sul, no Centro Fluminense, na noite de segunda-feira. Outras três pessoas ficaram feridas.

Do dia 22 a 25 de dezembro, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 81 acidentes em estradas do Rio de Janeiro. Nove pessoas morreram no local e 84 ficaram feridas. Neste período, a PRF aplicou 1.634 multas.


Últimas de Rio De Janeiro