Comércio sente o impacto da crise

168 empresas fecharam as portas por aqui no ano passado. Este ano, previsão ainda é pessimista

Por O Dia

Niterói - É só andar pelos principais centros comerciais da cidade para perceber que a crise atingiu as lojas daqui. Impressiona a quantidade de vitrines que deram lugar a placas de ‘aluga-se’. De acordo com a Câmara dos Dirigentes Lojistas, 168 empresas fecharam as portas no último ano. E vem mais chumbo por aí...

Um dos principais centros comerciais%2C a Rua Moreira César tem várias lojas desocupadasDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

O presidente do Sindicato dos Lojistas, Charbel Tauil, diz que a previsão é que as coisas ainda piorem. “Muitas lojas fecharam em janeiro e ainda esperamos outra leva em março. Tivemos um Carnaval ruim e um mês de fevereiro com muitos dias de comércio fechado, muita gente não vai aguentar”, lamenta.

Diretor da Escola de Economia da UFF, Ruy Santacruz diz que os fechamentos são decorrentes da queda na renda do consumidor que, por ter menos dinheiro e confiança na economia, dá uma freada nas compras. Dados do IBGE mostram queda de 4,3% nas vendas do varejo de 2015 em relação a 2014, o pior resultado da série de pesquisa, que começou em 2001. E por aqui as consequências são péssimas.

“A economia de Niterói está apoiada no setor de serviços. Mesmo com a reativação da indústria naval, o setor de comércio e serviços responde por mais de 90% do PIB da cidade”, explica Santacruz.

Para quem pensa em investir, o especialista alerta que o momento é de incerteza, e tudo indica que haja um aprofundamento da recessão. “As informações são de que pequenos negócios estão aumentando na cidade, devido ao fato do desemprego. Mas isso não é uma boa notícia. Acredito que o momento é de conservadorismo. Se for investir, que seja opção de baixo risco”, afirma.

O lado bom desse cenário é a possibilidade de pagar um pouco menos de aluguel. “Não houve uma queda brusca, mas os comerciantes estão conseguindo manter o preço que já pagavam ou até abaixar mesmo”, fala Charbel Tauil.

E em caso de resistência do proprietário, pode ser pior. Uma loja da Região Oceânica, por exemplo, não mexeu no aluguel de R$ 15 mil e está vazia há quase um ano. 

TEM PROMOÇÃO 

O impacto foi sentido em todas as regiões da cidade. Até no Plaza, no Centro, há lojas vazias. Na Rua Moreira César, em Icaraí, há galerias novas que nunca nem foram ocupadas.

No Shopping Multicenter, em Itaipu, seis lojas se despediram recentemente. E as que continuam lá estão com grandes liquidações. É uma boa hora para comprar. Tem descontos de até 70%. Na SML, que vende roupa feminina, todas as peças estão custando até R$ 69,99.

Últimas de Rio De Janeiro