Por thiago.antunes

Rio - No encontro regional em Três Rios, o terceiro do Mapa Estratégico do Comércio, que irá ocorrer entre os dias 28 e 29 de abril, serão discutidas as potencialidades do Centro-Sul fluminense. Os setores de bens, serviços e turismo são apontados como os principais da região, gerando 24 mil postos de trabalho, com 36% dos empregos formais.

Com quase 278 mil habitantes, segundo as estimativas do IBGE, a região responde por 1,7% da população do estado e 1% do PIB fluminense, com R$7 bilhões. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, apenas o município de Três Rios emprega no setor do Comércio de Bens e Serviços cerca de 9,5 mil trabalhadores, principalmente nos segmentos supermercadista, vestuário e acessórios.

O Senac RJ, vinculado ao Sistema Fecomércio RJ, já possui três unidades na região: Miguel Pereira, Três Rios e Paraíba do Sul, respondendo por 25% das matrículas entre os estabelecimentos de ensino profissionalizante.

“Reconhecer a vocação da região e elencar suas necessidades locais viabilizam o crescimento econômico e o pleno desenvolvimento dos municípios. Essa iniciativa do Mapa permite reunir empresários, poder público e sociedade civil a fim de contribuir efetivamente com soluções para o avanço socioeconômico de cidades como Três Rios”, afirma Julio Cezar Rezende de Freitas, diretor da Fecomércio RJ e presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Três Rios.

As etapas regionais do Mapa já passaram por Angra dos Reis e Miguel Pereira, reunindo cerca de 230 propostas apresentadas por empresários locais. O que chamou a atenção foi o tipo de ideia, priorizando a união entre os comerciantes do que propriamente ações que estimulem a concorrência.

Empresários do setor de hotelaria de Angra dos Reis pretendem quebrar a lógica da concorrência com a criação de um grupo no aplicativo WhatsApp para combinar compras coletivas de colchões, em busca de preços mais atrativos.

Mas nem todas as ideias visam apens o lucro. Mais do que uma preocupação em combater o aumento da taxa de desemprego, há uma iniciativa que pretende criar uma rede entre concorrentes para buscar vagas a funcionários dispensados em eventuais demissões por corte de custos. A ideia foi de comerciantes de Miguel Pereira, que sediou o segundo encontro do Mapa, na semana passada. No município do centro-sul fluminense, foram 90 ideias — metade delas pela internet. O próximo encontro será na próxima semana, em Três Rios.

Para Irineu Frare, coordenador de projetos da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e um dos envolvidos na criação do Mapa, essas iniciativas mostram uma mudança na atitude dos comerciantes. “Não existe só a lógica da competição. Os empresários perceberam que há espaço para que eles se ajudem. Há um movimento para estabelecer uma rede de cooperação”, analisa.

Idealizado pelo Sistema Fecomércio RJ, o evento irá circular por 15 cidades do estado até o dia 31 de agosto, quando encerra o seu itinerário na capital. O Mapa do Comércio, planejado até 2020 em iniciativa do Sistema Fecomércio RJ, busca refletir as demandas do setor.

Só no estado, o setor do comércio de bens, serviços e turismo reúne mais de 349 mil estabelecimentos, que representam 62,2% dos estabelecimentos fluminenses. e representam 62,2% dos estabelecimentos fluminenses. Este setor gera cerca de 2 milhões de empregos formais, que equivalem a 42,6% dos postos de trabalho formais no estado.

Você pode gostar