Barra do Piraí pretende lucrar com a venda de peixe até durante a Olimpíada

Cidade sediará a quinta etapa regional do Mapa Estratégico do Comércio entre esta quinta e sexta-feira

Por O Dia

Rio - Você conhece a expressão de que o jornal de hoje embrulha o peixe de amanhã? Em Barra do Piraí, é bem possível que essa edição, sirva para enrolar as tilápias vendidas por lá. Mas a expectativa do local onde há uma das maiores produções do peixe no estado é bem mais ambiciosa. Empresários pretendem alavancar o comércio através de um festival gastronômico e até da venda de peixe para delegações de outros países durante a Olimpíada do Rio. E fortalecer a ligação da cidade com a tilápia.

Ipiabas, distrito do município, possui tanques de propriedades rurais responsáveis pela produção mensal de 15 toneladas do peixe. Ingrediente ideal para estimular o turismo gastronômico. Barra do Piraí irá sediar a quinta etapa regional do Mapa Estratégico do Comércio, entre hoje e amanhã. No evento, organizado pelo Sistema Fecomércio RJ, comerciantes irão discutir propostas para o crescimento do comércio.

Empresário Orlando Pimentel%2C presidente do Sicomércio de Barra do Piraí%2C irá discutir propostas de crescimento para o setor durante eventoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Destaque para o festival gastronômico da tilápia, em Ipiabas. Com receitas elaboradas, chefs renomados e novos pratos, a ideia é atrair centenas de pessoas de todo o estado ao evento, que terá sua segunda edição em meio à Olimpíada do Rio, em agosto. No ano passado, teve tilápia na folha de bananeira, moqueca e até hambúrguer do peixe em três dias de evento. Neste ano, as receitas serão mantidas. Mas os restaurantes prometem novidades.

“A ideia é aproveitar até a visibilidade dos Jogos para consolidar Ipiabas como pólo turístico. Há cursos que estão sendo feitos pelo Sesc e Senac para ajudar na elaboração desses pratos”, projeta o empresário Orlando Pimentel, presidente do Sindicato Varejista (Sicomércio) de Barra do Piraí, que participa da organização do Mapa.

Uma das principais preocupações do setor é com a rede hoteleira de Ipiabas, com 300 acomodações, ainda insuficiente para absorver o público do festival. “Mas o importante é que as pessoas estão vindo para a região”, minimiza Orlando.

Em meio à crise, até peixe vira isca para estimular o crescimento do comércio.

Últimas de Rio De Janeiro