Tilápia, cerveja e cinema para impulsionar economia em Barra do Piraí

Venda de peixe, instalação de fábricas de cervejaria artesanal e locações para produções cinematográficas são atrativos

Por O Dia

Rio - Tarde de quinta-feira, Barra do Piraí. Em cima de um muro, é possível ver a ponte que separa a BR-393 e o centro da cidade. Um homem observa o Rio Paraíba do Sul com uma vara de pescar na água. Uma rotina que o pedreiro André Luiz Gomes segue desde a infância. E, sempre que tem uma folga no trabalho, volta a ficar em frente ao rio para tentar pescar uma tilápia, peixe que movimenta a economia local. Com uma produção de 15 toneladas por mês, o município é um dos maiores produtores da espécie. “Costumo ficar o dia inteiro. Peguei dois até agora”, diz André, apontando para um saco de ração na calçada.

Ele não é o único por ali. Cerca de 15 pessoas pescam ali. Mais abaixo, perto da margem do rio, o pintor Caldeci Teodoro da Silva também tenta a sorte. Mais do que um hobby, uma maneira de colocar a comida na mesa de casa, para alimentar a mulher e os cinco filhos. “É bom para distrair a mente”. E o peixe vai acompanhado de uma cervejinha?, pergunto. “Ô! De lei, né?”, sorri.

Aliás, cerveja e tilápia é uma combinação que traduz a realidade econômica da cidade, discutida entre quinta e sexta-feira durante o Mapa Estratégico do Comércio, idealizado pelo Sistema Fecomércio RJ. O peixe será o prato principal do festival gastronômico de Ipiabas, distrito de Barra do Piraí, em agosto, evento que pretende atrair turistas de todo o estado para a região.

André Luiz aproveita a pescaria no Rio Paraíba do Sul para relaxar e para ajudar no sustento da famíliaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

A cerveja artesanal é uma oportunidade de negócio que chega à cidade com a instalação de três fábricas, previstas para este ano. Negócios atraídos por isenções fiscais oferecidas pelo município. “Isso fortalece o roteiro turístico, ligado à tilápia. Barra do Piraí tem fazendas históricas, construídas no século XIX e uma vasta rede hoteleira, com resorts e um grande parque aquático, com o maior toboágua do mundo. E agora também viramos polo cinematográfico”, explica Roberto Monzo, secretário de Desenvolvimento Econômico.

Ele se refere a um projeto idealizado há seis anos, com a criação da Film Commission. O escritório é responsável pela produção de 17 filmes, entre longas e curtas. Barra do Piraí foi palco do filme “Quase Memória”, dirigido por Ruy Guerra e com atores de peso no elenco, como Tony Ramos, João Miguel e Mariana Ximenes. O projeto leva aulas de cinema para sala de aula e oportunidade de trabalho nos filmes gravados na cidade. Um legado para o futuro de Barra do Piraí.

Tapete vermelho no Oscar estudantil de Barra do Piraí

A sétima edição do Festival Internacional Estudantil é uma espécie de Oscar estudantil brasileiro. Tem cinco indicados em oito categorias para curtas produzidos por alunos das escolas de Barra do Piraí. E outra premiação, com dez filmes nacionais para mostras de filmes produzidos por estudantes do sexto ano do Ensino Fundamental ao terceiro ano do Ensino Médio de escolas de todo o país.

Tem tapete vermelho, envelope lacrado e o glamour do cinema, com a presença de atores renomados que já filmaram em longas gravados na cidade. “Cada escola produz um filme. Pegamos todos os distritos, incluindo a zona rural. Os filmes são projetados numa praça”, conta o secretário Roberto Monzo.

O evento começou no dia 15 de maio e terminou ontem. O vencedor da categoria nacional levou prêmio de R$ 2 mil. Houve, também, uma mostra internacional de filmes de alunos italianos, argentinos e russos.

Últimas de Rio De Janeiro