‘Rodoshopping’ para alavancar o comércio e desafogar trânsito

Projeto é sonho antigo em Barra Mansa e foi discutido em meio ao Mapa Estratégico do Comércio

Por O Dia

Rio - A construção de um ‘rodoshopping’ numa área de 121 mil metros quadrados na Rodovia Presidente Dutra, num dos acessos a Barra Mansa, foi uma das principais ideias discutidas entre empresários do município nos últimos dois dias. O projeto foi apresentado na nona etapa do Mapa Estratégico do Comércio, do Sistema Fecomércio, concluída ontem à tarde.

Um projeto que prevê a criação de uma nova rodoviária com linhas de ônibus intermunicipais e municipais, posto de combustível, restaurante, lojas, ponto de táxi e até uma rede hoteleira já faz parte de diálogos entre empresários e representantes do poder público há mais de dez anos. “A ideia foi colocada em meio às propostas e seria importante para aproveitar aquele espaço para alavancar o comércio”, argumenta o empresário Alberto dos Santos Pinto, presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sicomércio) de Barra Mansa.

Área na Dutra pode ser usada em ideia que prevê rodoviária cercada por comércio%2C restaurante e hotelHerculano Barreto Filho / Agência O Dia

Mas a iniciativa ainda não saiu do papel devido à necessidade de desapropriação do terreno, no km 267 da rodovia que corta o município. “O projeto está parado por questões legais. O local é estratégico para descentralizar o polo comercial”, analisa a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Rural, Danielle Fidelis.

Além de estimular o crescimento do comércio, a iniciativa também iria desafogar o trânsito. É que a rodoviária fica no Centro do município. E a passagem de linhas intermunicipais causa engarrafamentos. “Um ônibus pode levar até uma hora para chegar na rodoviária no horário de pico. A ideia é resolver esse problema e ainda criar um ponto de parada para viajantes que vão para Minas Gerais, São Paulo ou para a capital”, argumenta o empresário Magno Andrade, diretor do Sicomércio. “Só falta um investidor para tirar esse projeto do papel”, avalia Juarez de Magalhães, consultor comercial de segurança patrimonial.

Hoje, o local funciona como depósito de material para fazer pavimentação de ruas. Enquanto o projeto não sai do papel, um vigilante controla a entrada e saída de caminhões da prefeitura para descarregar o material, num local cercado por um portão de ferro, às margens da Dutra.

Ideia do Mapa gera R$ 16 mi

Em Barra Mansa, o Mapa superou as mil propostas apresentadas por empresários do setor em nove etapas, nos grupos de trabalho coordenados pela FGV Projetos. Enquanto isso, uma ideia que surgiu na abertura do evento, no fim de março, mobilizava o comércio em Angra dos Reis. Em 12 dias, o ‘Angra Mais Por Menos’ movimentou cerca de R$ 16 milhões, segundo a organização.

O evento, que contou com a participação de cerca de 500 lojistas, ofereceu descontos de até 70%. “O resultado positivo surgiu de uma ideia traçada pelo Mapa. Isso mostra a importância que esse projeto está tendo no estado do Rio”, analisa o empresário Essiomar Gomes, presidente do Sicomércio de Angra.

O ‘Angra Mais Por Menos’ integra o calendário de eventos idealizado por empresários da região. A primeira iniciativa que saiu do papel foi o ‘Gastronomia do Mar’, em Mangaratiba, no fim de maio, que também terá etapa em Angra. No mês passado, a Festa Internacional de Teatro de Angra também passou a fazer parte do calendário.

Últimas de Rio De Janeiro