Braçadas rumo à inclusão social

Projeto de natação atende cerca de 100 crianças e adolescentes da Baixada

Por O Dia

Há cinco anos o projeto de natação Golfinhos da Baixada, de Queimados, tem ensinado crianças e adolescentes que o esporte vai além da competição. De acordo com Gilberto Eloi, um dos diretores da iniciativa, o objetivo é incluir socialmente crianças e jovens de 10 a 18 anos.

“A falta de incentivo esportivo e de estrutura física, principalmente no que se refere à natação, nos motiva a manter este sonho que é o Golfinhos. Existimos para quebrar estas barreiras”, afirma Eloi.

As atividades do projeto começaram em 2011. Desde então, os alunos participam de competições na piscina e no mar. E mesmo morando longe eles deram um jeito: além da piscina olímpica, treinam em outra com ondas, no Paradiso Clube, em Nova Iguaçu. Uma vez por mês, há treinos na praia de Copacabana.

O nadador Luiz Lima deu dicas para melhorar desempenho dos alunosFoto de arquivo


Os jovens atletas têm um padrinho ilustre: o ex-nadador da equipe olímpica brasileira Luiz Lima. “Ele foi a nossa inspiração, admiramos muito o projeto que ele desenvolve, além do fato de não termos nada voltado para natação competitiva aqui na região. O Luiz é um grande parceiro e nos ajuda muito”, conta o professor e fundador do projeto, André Oliveira.

E se fosse para apostar nos talentos da turma Eloi arrisca três nomes. Allan Schnaider, Vinícius Ventura e Emelly Silva. “Eles são atletas com disciplina e têm obtido bons resultados, quem sabe cheguem até a uma olimpíada”, cogita.

Atualmente, o projeto atende cerca de 100 alunos. Para participar é preciso ser estudante e morador da Baixada. As inscrições são feitas no Paradiso Clube, na Estrada de Mato Grosso 1.000, em Cabuçu, nos dias de treino, ou na Vila Olímpica de Queimados, de segunda a sexta, de 9h às 16h. É de graça!

Últimas de Rio De Janeiro