Juntos e misturados pela música

Festival reúne bandas de vários estilos em Nova Iguaçu

Por O Dia

Todo músico espera pelo dia em que vai poder mostrar seu talento e exibir suas composições. Pensando nisso, e inspirado na diversidade musical da região, o primeiro festival da Música Popular da Baixada vai dar a oportunidade a 15 bandas de apresentar seus trabalhos autorais. E como prêmio, cada uma terá uma canção gravada em um disco que levará o nome do festival. Para muitos é a realização de um sonho e um passo importante na carreira.

As apresentações começaram na última semana e vai receber diversas atrações quinzenalmente, até o dia 8 de julho.

O objetivo do evento, criado pela revista de cultura marginal Entretere e a produtora Horizontal, é agregar os diferentes estilos musicais. “Nosso intuito não é de uma competição. É poder mostrar o acervo musical rico que temos por aqui”, conta o produtor do festival, Rodrigo Caetano, mais conhecido como Caê.

Curador do festival, Marcelo Peregrino diz que a ideia é ampliar a visibilidade, já que entrar no mercado fonográfico não é tarefa fácil. “O que está em jogo é ter um painel artístico bacana. Queremos criar um registro da nossa música”.

Cada uma das bandas vai ter uma música gravada em um discoEdson Taciano

E por trás de cada banda há muitas histórias a serem contadas. Em Mesquita, um grupo de amigos que gostava de falar sobre política, religião e filosofia resolveu ampliar o diálogo, levando ao público canções que falassem do cotidiano da região. Assim nascia a banda Gente. 

A vocalista do grupo, Iolly Amâncio, diz que o clima entre todos os participantes é de amizade e que o principal é agregar. “Quando criamos a banda, soubemos que existia outra com nome parecido, ‘Gente Estranha no Jardim’, e passamos a acompanhá-los. A gente se chamava de primo. Desde então nossa amizade só se fortalece”, conta.

Além da amizade, um romance une outras duas bandas. Ramom, da Lisbela, e Amanda, da Flores pra Ramona, são namorados e estão ansiosos para tocar no mesmo evento.

Já a banda Lisbela, que toca no dia 24, tem três anos de estrada e é fruto do sonho de cinco amigos de fazer da música o caminho para partilhar coisas boas.
O ingresso para o festival custa R$ 10.

Programação

27/5: Movimento Samba Funk, Marcão Baixada, Guimá.

10/6: Hero Beat Jack, ComboIO, Venelop

24/6: Lisbela, Suecos Metidos, Flores Pra Ramona .

8/7: Gente, Muniz, Revolt


Matéria de Laila Ferreira

Últimas de Rio De Janeiro