Saúde na Baixada pede socorro

Das 12 unidades do estado denunciadas pelo Cremerj por problemas diversos, cinco estão na região

Por O Dia

São João de Meriti - O alerta já soou e a situação da saúde é cada vez mais preocupante. O Cremerj divulgou na semana passada um relatório em que denuncia problemas em 12 unidades do estado. Dentre elas, cinco na Baixada. Estão na lista o Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, o Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), a Unidade Básica de Saúde Dr. Moacyr de Carvalho, também em Nova Iguaçu, o Hospital Municipal José Rabello de Mello, em Guapimirim, e o Hospital Municipal São Francisco Xavier, em Itaguaí.

Segundo o órgão, no Hospital da Mulher foi preciso reduzir o atendimento em quase 50%, afetando, principalmente, consultas ginecológicas. A unidade está sem o mamógrafo e não realiza exames de raio-X por falta de reveladores. Os exames estão sendo levados por ambulância para serem revelados em outras unidades. Os remédios quimioterápicos também estão em falta. “Estou tentando atendimento para minha filha, mas não consigo. Não sei mais o que fazer”, diz Sandra Moraes, em frente ao Hospital da Mulher.

Hospital da Mulher de São João de Meriti tem problemasMaíra Coelho / Agência O Dia

O HGNI tem problemas no abastecimento de insumos e medicamentos. Atendimentos só em casos mais urgentes. Cirurgias eletivas e atendimento ambulatorial estão suspensos.

Na Unidade Básica de Saúde Dr. Moacyr de Carvalho, em Nova Iguaçu, nos hospitais de Guapimirim e de Itaguaí, faltam insumos e medicamentos. Em Itaguaí o número de médicos é insuficiente. “Estamos muito preocupados com a condição dessas unidades. As autoridades não conseguem amenizar essa crise, provocada pela falta de recursos financeiros , mas a saúde precisa ser prioridade”, enfatiza Nelson Nahon, vice-presidente do Cremerj. 

A direção do Hospital da Mulher informou que o aparelho de mamografia será consertado, assim como o de raio-X. Sobre as consultas, a Secretaria de Estado de Saúde disse que está reorganizando o fluxo de atendimento.

O secretário de Saúde de Nova Iguaçu, Emerson Trindade, pediu ajuda à Secretaria de Estado de Saúde para conseguir medicamentos e insumos para o HGNI. “Vamos conseguir manter a unidade aberta, com restrição. São mais de 10 mil itens que vão suprir a necessidade por um tempo, mas se a demanda continuar crescendo, voltaremos a ter problemas”.

As prefeituras de Itaguaí e Guapimirim não se pronunciaram sobre as denúncias.

Últimas de Rio De Janeiro