Dúvida no ar: como vai ficar o Hospital Geral de Nova Iguaçu?

Se continuarem os problemas com repasses, prefeito entregará a unidade

Por O Dia

Nova Iguaçu - A gestão municipal mudou e os p roblemas para manter o Hospital Geral de Nova Iguaçu, conhecido como Hospital da Posse, continuam os mesmos. Segundo a prefeitura, sem os repasses do governo estadual e com o federal menor do que o necessário, está cada vez mais difícil gerir a unidade.

Na última semana, foi protocolado no Ministério Público um abaixo-assinado com mais de 10 mil assinaturas, colhidas em diversos bairros, que reivindica o não fechamento do hospital. “O acordo firmado é de que 70% dos recursos viriam do governo federal, sendo completado por 15% do governo estadual e mais 15% do município. Mas o estado não tem repassado nada e o Ministério da Saúde não arca com os 70%. A prefeitura está suprindo esta necessidade, mas deixamos de investir nos postos e unidades de saúde”, diz o prefeito Rogério Lisboa.

Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI) passa por graves dificuldades financeirasDivulgação/Marcelle Abreu

Se a situação prosseguir desta forma, o prefeito afirma que vai entrar na Justiça para entregar a administração para o governo federal. “Esta é uma medida extrema, que não queremos tomar. Vamos lutar até o fim e buscar conversar com os governos das duas esferas, mas se nada mudar, não vai ter jeito de arcar com as despesas”, afirma o prefeito, ao garantir que a unidade não fechará.

O Ministério da Saúde informou que o SUS destina ao HGNI R$ 12 milhões mensais e que não vai assumir a gestão do hospital. Já o estado afirma que os repasses serão retomados nos próximos meses e que firmou pacto com os municípios da Baixada para otimizar o atendimento de portas abertas, para desafogar o HGNI.

Últimas de Rio De Janeiro